Fabrício Bruno defende Thiago Neves e lembra saída do Cruzeiro: ‘Hoje me sinto aliviado’

  • Por Jovem Pan
  • 26/02/2020 16h40 - Atualizado em 26/02/2020 16h47
Reprodução/Instagram Fabrício Bruno rescindiu o contrato com o Cruzeiro no começo de 2020

Revelado nas categorias de base do Cruzeiro, Fabrício Bruno participou da campanha desastrosa do time no Campeonato Brasileiro da temporada passada, que culminou no rebaixamento para a Série B. Hoje no RB Bragantino, o zagueiro reafirma o amor que sente pela Raposa, mas diz estar aliviado após passar meses sem receber salário e ser chamado de mercenário depois de rescindir o contrato com o clube.

“Foi uma situação muito difícil se tratando do clube que me revelou, que me apresentou para o futebol nacional. Mas algumas decisões precisam ser tomadas pelo lado profissional, pensando na minha carreira, na minha família. Confesso que foi muito difícil, mas hoje me sinto aliviado pela situação que eu me propus. Conversei com a minha família e vi que era o que tinha que ser feito. Fico triste, mas é uma decisão pessoal, não profissional”, disse, em entrevista exclusiva ao repórter Pedro Marques, da Jovem Pan.

“Fiquei com 9 meses atrasados de imagem e mais três carteira. Muita gente me criticou, me chamou de ingrato, de mercenário. São coisas que me chateiam porque quem tem [boa] vida financeira é fácil. É fácil fazer isso tudo. Eu que estou começando a minha carreira agora, não é fácil. Cada um tem seu compromisso com o dinheiro”, continuou o atleta de 24 anos.

Fabrício Bruno rescindiu com o Cruzeiro no dia 14 de janeiro após abrir mão de salários atrasados e outros direitos, como FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Ele também depositou R$ 500 mil na conta do Cruzeiro para poder se desvincular.

“Qualquer situação judicial não é boa, principalmente para o jogador. Eu e meu empresário tomamos muita porrada. Mas a decisão de comum acordo é para resolver logo e me liberar para jogar. Fiquei três meses em Belo Horizonte parado de tudo. Então foi uma situação que não só com o RB Braganitno, mas com outros clubes também. Então foi uma questão que eu e meu advogado resolvemos fazer”, explicou.

Acusado de “não ser cruzeirense” e “pensar apenas no lado financeiro”, Fabrício diz não guardar mágoas e faz questão de deixar claro que continuará na torcida pelo time.

“É triste a situação do Cruzeiro. Infelizmente, foi levantada essa questão se eu sou ou não cruzeirense. Quem me conhece sabe que eu sou. São coisas que acontecem de errado que um dia conta chega. Mesmo estando de longe, torço para o sucesso do clube. Não guardo mágoa. Estarei sempre acompanhando os jogos. Torço para o sucesso do clube. Que volte ao lugar que não deveria ter saído”, falou.

Defensor de Thiago Neves

Na campanha que determinou o descenso do Cruzeiro para a 2ª Divisão, o meio-campista Thiago Neves foi tachado como principal vilão da maior catástrofe da história do clube. Ainda assim, de acordo com relato de Fabrício Bruno, o experiente armador se empenhou ao máximo para evitar a queda.

“O Thiago eu não tenho nem palavras. O tanto que ele me ajudou, o quanto ele fez eu ser a pessoa que eu sou… Muita gente que critica não sabe de verdade a pessoa que é o Thiago. Muita gente critica porque ele foi do céu ao inferno em questão de segundos. Thiago é meu amigo pessoal, conheço a índole, sei que ele é do bem. Enfim, vários jogadores não tiveram um bom momento. Depois de tudo que aconteceu, liguei para ele e falei que ele não é essa pessoa ruim que todo mundo pensa. Ele não estava lá para prejudicar o clube ou os atletas.”

Fabrício Bruno também detalhou o clima do vestiário da Raposa durante o campeonato da temporada passada.

“Não era o caos todo que todo mundo fala. Pelo contrário, a gente se unia, se empenhava… mas por N fatores as coisas acabavam não acontecendo. Eu acho que quando as coisas começam errado, não tem como dar certo. A gente sempre entregou, sempre se dedicou. Enfim, acabou acontecendo”, afirmou.

RB Bragantino 

Agora no RB Bragantino, Fabrício Bruno tenta emplacar e fazer o time da marca de bebidas energéticas emplacar. Na equipe do interior, o jovem conta como está sendo suas primeiras impressões do futebol paulista.

“Sempre ouvi falar muito do Paulistão que ue era um campeonato diferente. Fiquei feliz pela estreia, pelo jogo que eu fiz, pela confiança que eu tive. Agora é dar sequência e continuar trabalhando”, disse.

Até o momento, no entanto, o RB Bragantino está aquém da expectativa. Em sete rodadas disputadas, a equipe somou apenas 8 pontos e ocupa a 3ª posição do Grupo C.

“A gente sabe que investimento não é nossa responsabilidade. O vestiário é bastante tranquilo. A gente perdeu alguns jogos, sabemos que precisamos melhorar. Precisamos nos dedicar um pouco mais. Aqui é tranquilo, muito agradável o clima aqui”, cravou.

Fabrício Bruno, por outro lado, não poderá ajudar o Bragantino na próxima rodada, diante do Ituano, em casa. O zagueiro saiu lesionado na derrota para o Santo André, na última segunda-feira (24).