Presidente do Flamengo: ‘O futebol não pode voltar só porque a curva da pandemia é ascendente?’

  • Por Jovem Pan
  • 26/05/2020 11h55 - Atualizado em 26/05/2020 11h58
Reprodução/FlamengoRodolfo Landim, presidente do Flamengo,

Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, questionou o motivo do futebol não ser reiniciado no Brasil em meio à pandemia de Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. No entendimento do mandatário do Rubro-Negro, o futebol está dando exemplo em como evitar a propagação do vírus.

“Por que não voltar o Futebol? Só porque a curva da pandemia é ascendente? Mas está ascendente porque outras atividades não estão usando o nosso protocolo. Qual o protocolo lojas de construção? O futebol tá dando exemplo”, disse Landim, em entrevista à emissora “Fox Sports”, nesta terça-feira (26).

O elenco do Flamengo voltou a treinar nos campos do Ninho do Urubu, mesmo sem a aprovação da Prefeitura do Rio de Janeiro. O ato gerou um amplo debate e foi criticado por parte da torcida, mas foi defendido pelo presidente da equipe carioca.

A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro, entretanto, contou com a aprovação de 14 dos 16 clubes cariocas para a volta das atividades em junho.

“A atividade do futebol está prestando um serviço para a sociedade. O esporte, o futebol, a federação do Rio de Janeiro está dando um exemplo a ser seguido por outras entidades”, disse.

Landim ainda criticou a imprensa esportiva, que, no entendimento dele, deveria apoiar o retorno do Flamengo às atividades. “Pelo Flamengo estar treinando, seguindo um protocolo super correto, seria algo para a imprensa falar assim: ‘Olha que legal o que o Flamengo está fazendo, o exemplo do esporte poderia ser um padrão a ser seguido por outras atividades no país'”, destacou.

Rodolfo Landim e Alexandre Capello, presidente do Vasco, foram até Brasília, na semana passada, para discutir a retomada do futebol no país com Jair Bolsonaro (sem partido). O Flamengo é um dos times mais entusiasmados com a possibilidade do reinício dos campeonatos.

“Nós vamos ter uma volta horrorosa esse ano em termos de calendário. A gente precisa preparar os nossos jogadores para uma série de campeonatos que vamos disputar com espaço de tempo muito curto para poder jogar. Todas as informações que tínhamos dos nossos jogadores é que eles estavam loucos para voltar a praticar a profissão deles. A saúde não é só ausência da doença, ela fala por uma série de coisas”, comentou.

Por fim, Landim também falou sobre as conversas com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a respeito da realização de campeonatos nacionais.

“Nas conversas que estamos tendo com a CBF, e tudo o que a gente ouve, que a expectativa é de terminar os jogos em dezembro ou até o começo de 2021. Vamos ter que fazer jogos com prazo mínimo de 66 horas entre as partidas. A gente precisa fazer com que nossos jogadores estejam muito bem preparados para iniciar as competições, para não termos problemas de lesões no futuro”, declarou.