Antes convocado para Seleção, Pedro só voltará a jogar em 2019

  • Por Jovem Pan
  • 18/09/2018 12h21 - Atualizado em 18/09/2018 12h24
LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.Pedro fez 10 gols no Brasileirão

A carreira de um jovem promissor foi gravemente interrompida por uma lesão. O atacante Pedro, do Fluminense, que chegou a ser convocado para Seleção Brasileira recentemente, terá que passar por uma cirurgia no joelho e só poderá voltar a jogar em 2019.

Pedro fez 10 gols no Campeonato Brasileiro e era o principal artilheiro quando foi convocado – atualmente esse posto é de Gabigol, do Santos, que já fez 12. Então a Seleção anunciou o corte e convocou Richarlison, do Everton, para o lugar dele.

O departamento médico do Fluminense apostou em um tratamento conservador inicialmente, baseado em fisioterapia, na esperança de que o atleta não precisasse se submeter a cirurgia, o que aumentaria seu tempo de afastamento dos gramados. Mas novos exames mostraram que não adiantava mais insistir nisso.

Segundo o diretor de saúde do Fluminense, Pedro também foi avaliado pelo médico Rodrigo Lasmar, da Seleção Brasileira. “Optamos que o Rodrigo também avaliasse o jogador para dar um feedback à seleção. A avaliação do Lasmar foi feita segunda-feira. E ele também julgou necessária a cirurgia.”

Pedro sofreu uma entorse com estiramento do ligamento do joelho direito no dia 25, durante a partida contra o Cruzeiro, ao tentar dominar a bola no campo de ataque, aos 46 minutos do segundo tempo, no Mineirão, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

De acordo com Simoni, o prazo de recuperação para casos deste tipo é de seis meses. Ou seja, Pedro só deve retornar aos gramados em março de 2019. “Em geral o tempo de recuperação, é na faixa de seis meses. É uma lesão comum no futebol. Infelizmente, é o que temos. Mas o Pedro tem apenas 20 anos e tenho certeza de que ele vai se recuperar e voltar a sua atividade profissional o quanto antes.”

O médico explicou que o clube não revelou mais informações sobre o caso nos últimos dias por pedido do próprio jogador. “Houve um pedido do jogador de que não se mencionasse publicamente as questões médicas”, justificou.

Ele explicou também que o intervalo de tempo entre a constatação da lesão e a cirurgia, cuja data ainda não foi anunciada, é normal. “Cabe lembrar às pessoas que questionam esse tempo: cirurgia de ligamento cruzado anterior não deve ser feita de imediato. É necessário de 15 a 20 dias para se recuperar o arco do movimento e o tônus muscular, para evitar uma complicação chamada artrofibrose”.

Com Estadão Conteúdo