Edu Gaspar tentou explicar problemas da Seleção Brasileira, mas só aumentou polêmicas

  • Por Jovem Pan
  • 18/09/2018 11h24 - Atualizado em 18/09/2018 11h25
Pedro Martins / MoWA PressEdu Gaspar insiste que não é fácil ser Neymar

Coordenador de seleções da CBF, Edu Gaspar não costuma dar muitas entrevistas, mas foi até a Rede Globo, nesta segunda-feira (17), para participar do programa “Bem, Amigos”. Ele tentou explicar problemas que rendem muitas criticas à Seleção Brasileira, mas só aumentou as polêmicas, principalmente sobre Neymar e os adversários que o time enfrenta.

Após a eliminação na Copa do Mundo de 2018, Edu foi muito criticado por ter dito que não é fácil ser o “menino” Neymar. O coordenador até reconheceu o erro por chamá-lo de menino, mas insistiu na teoria: “eu convivo há dois anos e meio como coordenador e o Neymar não deu um trabalho a nós. Quando eu falo que é difícil ser Neymar em alguns momentos é porque tem muita coisa que acontece que não é fácil, assim como não é fácil ser Tite. A representatividade deles é muito grande”, afirmou ele, excluindo questões econômicas e sociais do atacante.

Edu tentou explicar por que Tite deu a faixa de capitão permanente para Neymar. Revelou que Tite conversou com ele por uma hora antes de anunciar essa decisão. Mas deu a entender que a escolha aconteceu para que ela cresça, algo que é arriscado para a Seleção: “é uma oportunidade para que ele dê um passo à frente. Vamos dar a responsabilidade para assumir o tamanho que ele tem, assumir dar uma coletiva. E ele está preparado para isso”.

Edu é quem coordena a organização dos amistosos da Seleção Brasileira e foi questionado sobre o nível dos adversários, já que o time enfrentou Estados Unidos e El Salvador recentemente. Mas a explicação foi pouco convincente: “todo esse estudo de seleções disponíveis nas datas, eles são feitos com antecedência. São feitos convites para todas, para jogar com os principais adversários possíveis. Mas muitas equipes não querem jogar com a Seleção Brasileira. Muitas vezes, não foi o Peru que escolheu a Holanda, mas o contrário. E quando eu vou escolher uma seleção, muitas delas não querem enfrentar a Seleção Brasileira”.