Eleito melhor do mundo, Modric admite dificuldade para se manter no topo

  • Por Jovem Pan
  • 25/09/2018 11h46
EFE/Facundo ArrizabalagaModric destacou que já vinha em ótima fase no Real Madrid

Luka Modric, do Real Madrid, foi eleito o melhor jogador do mundo em 2018, no prêmio The Best, e depois falou sobre a dificuldade de se manter no topo. Em entrevista à Fifa, divulgada nesta terça-feira (26), o croata mostrou “pés no chão” e cautela sobre o futuro.

Ele admitiu que é difícil continuar como melhor do mundo: “não é fácil alcançar o topo, mas ficar nele é ainda mais difícil”, ressaltou o astro croata, recordando também que já vinha ajudando o Real Madrid a faturar taças importantes há um bom tempo, entre as quais as três da Liga dos Campeões obtidas de forma consecutiva. “Estou no topo há alguns anos e espero poder ficar nele um pouco mais”, reforçou.

Modric também evitou prometer a conquista de novas premiações individuais de melhor do mundo da Fifa ao ser questionado pelo organismo máximo do futebol se esta honraria será a sua primeira de muitas nas próximas edições da Bola de Ouro. “Nós veremos. Não estou pensando nisso agora. Estou muito satisfeito por ter recebido este prêmio. Há muitos bons jogadores – esses dois (Cristiano Ronaldo e Messi) e muitos mais – que fazem você se sentir orgulhoso de vencê-los. Isso mostra que seu trabalho valeu a pena. Foi uma noite na qual todos os meus sonhos se tornaram realidade”, enfatizou.

Antes de Modric brilhar no Mundial de 2018 e faturar o prêmio de melhor jogador do planeta nesta segunda-feira, Cristiano Ronaldo e Messi se revezaram como vencedores da premiação por dez anos, com cada um deles sendo eleito por cinco vezes no período entre 2008 e 2017. O último que havia conquistado a honraria antes da supremacia da dupla de astros foi o brasileiro Kaká, então como jogador do Milan, em 2007.

Com Estadão Conteúdo