Goleiro turco que ‘pintava’ o rosto e enfrentou Brasil em 2002 está com Covid-19

  • Por Jovem Pan
  • 29/03/2020 13h24 - Atualizado em 29/03/2020 13h25
Arquivo/Estadão ConteúdoRustu Recber é considerado o maior goleiro da história do futebol turco

Rustu Recber, goleiro da seleção turca que enfrentou e perdeu duas vezes para o Brasil na Copa do Mundo de 2002, foi diagnosticado com a Covid-19. O anúncio foi feito por Isil Recber, mulher do ex-atleta.

“Gostaria de dar mais notícias positivas, compartilhando a verdade da maneira mais transparente, mas lamento dizer que meu marido Rustu foi hospitalizado com diagnóstico de Covid-19. Estamos chocados com os sintomas rápidos que ele desenvolveu repentinamente. Que Alá dê conforto imediato a todos os pacientes, incluindo meu marido”, escreveu Isil, em suas redes sociais.

“Nos testes que fizemos, minha filha e meu filho foram negativos e apenas meu marido foi positivo. Por esse motivo, estamos em casa e ele no hospital, e não há permissão para vê-lo. De fato, a coisa mais difícil é não estar com ele. Mas confiamos em Alá e nos médicos turcos, espero que isso passe”, afirmou e esposa do ex-goleiro.

Ex-Barcelona e titular da seleção da Turquia por quase duas décadas, Rustu, de 46 anos, foi um dos destaques da equipe na campanha de 2002, que levou os turcos ao inédito terceiro lugar em um Mundial. Diante da Seleção Brasileira, os europeus perderam logo na estreia, por 2 a 1, e depois na semifinal, por 1 a 0.

Rustu ficou marcado por, além de fazer belas defesas, usar uma espécie de pintura preta embaixo dos olhos durante os jogos. Tal técnica, adotada por muitos jogadores de beisebol e futebol americano, por exemplo, serve para ajudar a evitar o reflexo da luz.

*Com informações do Estadão Conteúdo