Odair encara missão de reanimar Fluminense; eliminação gera prejuízo milionário

  • Por Jovem Pan
  • 19/02/2020 09h37
Reprodução/TwitterOdair Hellmann é treinador do Fluminense

O Fluminense junta os cacos depois da eliminação precoce na Copa Sul-Americana. Com o empate sem gols contra o Unión La Calera, na terça-feira, no Chile, o time carioca se despediu da competição continental ainda na primeira fase e agora já pensa em um novo duelo decisivo, desta vez pela Copa do Brasil. A missão do técnico Odair Hellmann é reanimar o elenco para encarar o Moto Club, no Maranhão, na próxima quarta, pela estreia no torneio nacional. O confronto é em jogo único e o empate dá a vaga aos tricolores.

“Não conseguimos dessa vez. Está todo mundo muito dolorido, chateado com a eliminação. Temos que retomar o mais rápido possível para as próximas competições. Semana que vem temos uma competição parecida, mata-mata. Essa eliminação tem que doer em todos nós. Estamos criando uma identidade de buscar as classificações, os objetivos. Não deu nessa, infelizmente. Temos que voltar a trabalhar, para que na próxima entrevista possamos estar em uma situação feliz”, disse o treinador.

Odair Hellmann reconheceu que é necessário melhorar a contundência na parte ofensiva, podendo mudar algumas convicções que apresentou neste início de trabalho à frente do Fluminense.

“Precisamos melhorar ao enfrentarmos adversários que baixam a linha de marcação. Precisamos ter o domínio, ter a posse, mas precisamos ser mais contundentes, mais definidores, incomodar mais o goleiro adversário. Criamos três ou quatro situações perigosas, de chance de gol. Mas com esse volume de passe e posse, precisamos criar mais, para incomodar mais. Porque, senão o time adversário vai se sentindo confortável dentro do confronto e foi o que aconteceu”, comentou.

A Copa do Brasil é uma competição que dá boas premiações aos clubes que vão passando de fase. A diretoria esperava o mesmo na Sul-Americana, mas a eliminação precoce vai atrapalhar bastante os planos para esta temporada.

Dos US$ 6,5 milhões de dólares (cerca de R$ 27,6 milhões) possíveis de ganhar no torneio continental com premiações, o Fluminense levou apenas US$ 300 mil (R$ 1,26 milhão) pela participação na primeira fase. A competição era a chance de dar um “respiro” aos cofres, mas nada disso acontecerá. Se tivesse passado pelo time chileno, já receberia mais US$ 375 mil (R$ 1,57 milhão) só pela classificação, valor que equivale a quase metade da folha salarial do atual elenco.

*Com informações do Estadão Conteúdo