Por que valorizar apenas o gol? ‘Prêmio Gordon Banks’ seria justa homenagem da Fifa ao ex-goleiro

  • Por Bruno Landi/Jovem Pan
  • 12/02/2019 12h09 - Atualizado em 12/02/2019 12h10
Yuri Kochetkov/EFEGordon Banks, que morreu nesta terça-feira, foi o autor da defesa mais célebre da história do futebol; premiação da Fifa seria justa homenagem

Escândalos de corrupção, prisões, afastamentos, queda de presidente, investigações e mais investigações. Em pouco tempo, a Fifa perdeu toda a credibilidade que um dia já teve. Mas nem tudo o que a entidade fez nos últimos anos merece ser condenado. Vide o Prêmio Puskás…

A condecoração do gol mais bonito do ano, que teve a sua primeira edição realizada em 2009, tornou-se um verdadeiro sucesso em todas as partes do planeta. Primeiro, porque trata diretamente com o que há de mais popular no futebol: o gol. Depois, porque não distingue craques de perebas, timaços de sacos de pancada, arenas de pastos.

Se foi o Messi ou o Wendell Lira, pelo Barcelona ou pelo Goianésia, no Camp Nou ou no Serra Dourada… Não importa. O objeto de julgamento é o gol. Avalia-se apenas o valor estético de uma bola que cruza a linha de fundo – nem a rede precisa ser balançada.

Mas não são só gols que divertem. Não são apenas bolas que cruzam linhas de fundo que emocionam, fazem rir, dão vontade de socar o ar. Dribles, desarmes, cruzamentos e até mesmo chutões para as arquibancadas podem ser capazes de entreter. Tanto quanto um gol? Não. Há, por um acaso, algum sentimento comparável com aquele produzido por um gol? Há. O ocasionado por uma grande defesa.

Na frieza dos números, evitar que um time marque gols vale tanto quanto fazê-los. E, aqui, não se trata de um pensamento conservador. É pura matemática. Ou vai dizer que um 1 a 1 vale mais que um 0 a 0? – ignore, aqui, a esdrúxula regra dos gols qualificados em torneios de mata-mata.

E sim. É, sim, necessário apelar ao extremo didatismo para deixar claro que a intervenção de um goleiro deve ser tão reverenciada quanto o gol de um jogador de linha – ou até mesmo de um arqueiro, quem sabe. Os sujeitos que ficam 90 minutos debaixo das traves, imersos numa quase irrestrita solidão, também têm o seu valor.

E merecem, sim, ser valorizados.

Se um gol pode ser tão bonito a ponto de receber um prêmio, por que não se congratular, também, uma linda defesa? Fica, aqui, o pedido, Dona Fifa: espelhe-se no sucesso do Prêmio Puskas e promova, também, a eleição da defesa mais bonita do ano.

Se estiver sem tempo para pensar em um homenageado, lembre-se do que fez um goleiro inglês na Copa do Mundo de 1970, diante de um atacante negro, vestido de amarelo, com um 10 nas costas – tal de Pelé.

Crie, para ontem, o Prêmio Gordon Banks. Os milhões de goleiros espalhados pelo mundo, e o lendário ex-arqueiro morto nesta terça-feira, agradecem. Eles também são gente.