Jean, ex-goleiro do São Paulo acusado de agredir esposa, acerta com Atlético-GO

  • Por Jovem Pan
  • 13/01/2020 16h14
Reprodução/Instagram Jean, do São Paulo, é acusado de ter agredido a esposa

O São Paulo anunciou na última quinta-feira (9) a suspensão do contrato de Jean, acusado pela esposa de agressão durante viagem aos Estados Unidos. Quatro dias depois, o goleiro acertou por empréstimo com o Atlético-GO, clube que vai disputar a Série A do Campeonato Brasileiro.

Jean, de 24 anos, já esteve no Centro de Treinamento do Atlético-GO para fechar os últimos detalhes do empréstimo. O goleiro tem contrato com o São Paulo até o fim de 2022, mas não joga mais pelo clube paulista.

Agressões

Na madrugada do dia 18 de dezembro, Milena, esposa de Jean, postou vídeos no Instagram relatando agressões físicas e psicológicas do arqueiro são-paulino. Nas publicações, ela aparece com o rosto machucado e pedindo socorro.

“Eu estou aqui em Orlando (EUA) e olha o que o Jean acabou de fazer comigo. Me ajude! Jean acabou de me bater. Gente, socorro. Mãe, calma que eu estou bem. Mas olha para isso, gente. Jean, goleiro do São Paulo, acabou de me bater. Eu quero Justiça! Olha o que ele está falando aqui na porta. Eu estou trancada no banheiro. Ai meu Deus!”, falou Milena, em uma das postagens.

Na sequência, a mulher escreveu que precisava assimilar o que havia acontecido e relatou pressão psicológica por parte do atleta. Em print divulgado por Milena, Jean teria escrito: “Parabéns! Você terminou com a minha carreira. E suas filhas vão passar fome.”

Ao amanhecer, Milena voltou a usar o Instagram para tranquilizar seus seguidores: “Meus amores, como tem muita gente preocupada comigo e estou sem celular em outro lugar, já passou. Estou com as meninas e está tudo bem”, disse.

Prisão

Jean chegou a ser preso nos Estados Unidos. O goleiro foi solto no dia seguinte após audiência de custódia. Mesmo solto, Jean continuará respondendo o processo no estado por violência doméstica. O tribunal norte-americano determinou que ele precisará manter distância da mulher, mas permitiu contato com as filhas sob supervisão. O atleta não precisou pagar fiança, mas terá que comparecer ao tribunal em audiências futuras.