Jô se emociona ao lembrar fase difícil e dedica prêmios à torcida do Corinthians

  • Por Estadão Conteúdo
  • 04/12/2017 15h45 - Atualizado em 04/12/2017 15h47
TOM VIEIRA FREITAS/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Futebol Campeonato Brasileiro Corinthians Jô Bola de Prata Melhor atacante, artilheiro e Bola de Ouro, Jô foi o grande destaque do dia de premiações

Destaque no Prêmio Bola de Prata com três troféus (artilheiro, melhor centroavante e Bola de Ouro), o corintiano Jô se emocionou ao relembrar os momentos difíceis que passou antes da volta por cima em 2017, em que ajudou o time alvinegro e conquistar o Estadual e o Brasileirão. O atleta dedicou os prêmios à torcida do clube e disse que ainda sonha com vaga na Seleção Brasileira para a Copa do Mundo em 2018.

“Passei por momentos difíceis na minha vida e, neste ano, no início, tive pessoas que sempre estiveram ao meu lado, minha família”, disse Jô, emocionado. “É tanto tempo no futebol, comecei aos 16 anos e já passei por muitas coisas. Só tenho que agradecer a Deus e aos meus companheiros, ao Corinthians que acreditou na minha mudança”.

Jô disse ter se preparado para a volta por cima em 2017 e que conseguiu dar conta da confiança depositada nele durante a temporada. “Tive que superar essas dificuldades, me preparei bem e consegui dar minha resposta dentro de campo. É uma honra. Foi um ano maravilhoso e respondemos às críticas no gramado. Fomos merecedores e essa Bola de Ouro vai para a torcida do Corinthians e aos meus companheiros”.

O centroavante despistou sobre a possibilidade de deixar o Corinthians em 2018. “Tenho contrato até 2019, e as mensagens que recebo, o carinho dos torcedores sempre fizeram eu me sentir importante. Depois desse 2017, espero fazer um 2018 ainda melhor, que é o que pode acontecer e o que eu desejo. Quanto a uma possível saída, só há especulações. Agora, estou pensando nas férias e em voltar na próxima temporada e fazer mais um bom ano”.

O corintiano ainda disse que sonha com uma vaga no time de Tite para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia. “Tenho expectativa de voltar à Seleção, mas tenho que respeitar a decisão do Tite e da comissão dele. Tenho mais seis meses para voltar e fazer gols, fazer grandes atuações e, se Deus quiser, ter uma nova oportunidade”.