Mauro Beting desabafa: ‘Esse Flamengo x Bangu foi a maior vergonha do futebol brasileiro’

  • Por Jovem Pan
  • 19/06/2020 14h54
ReproduçãoO comentarista Mauro Beting é um dos integrantes da equipe de esportes da Rádio Jovem Pan

Em participação no Esporte em Discussão desta sexta-feira, 19, o comentarista Mauro Beting, do Grupo Jovem Pan, desabafou e criticou a realização do jogo entre Flamengo e Bangu, na última quinta, 18, no Maracanã. A partida, que terminou com triunfo rubro-negro por 3 a 0, foi disputada sem público e em meio à pandemia do novo coronavírus no Brasil. Para o jornalista, a disputa do duelo válido pela 4ª rodada da Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca, foi “a maior vergonha do futebol brasileiro” e “não poderia ter acontecido”, ainda mais em um estádio localizado ao lado de um dos hospitais de campanha montados para atender infectados por Covid-19 no Rio de Janeiro.

“Para mim, a maior tristeza da história do Maracanã, que há dois dias completou 70 anos, não foi para 200 mil pessoas na final da Copa de 1950. O que aconteceu ontem no Maracanã foi a maior vergonha do futebol brasileiro! Sem público e sem respeito. Porque vamos supor que você pudesse voltar a jogar futebol… Mas voltar no Maracanã, ao lado do estacionamento do Célio de Barros, onde era para ter 1300 leitos e só tem 400, onde 26 pessoas estavam na UTI e, dessas 26, justamente ontem duas morreram? Poderia ser disputado talvez em Moça Bonita, campo do Bangu… Dava para jogar sem público no Ninho do Urubu, que tem instalações maravilhosas, em São Januário… Em qualquer lugar! Menos onde, do lado, tem um hospital de campanha que demorou mais do que deveria (para ficar pronto), que tem menos de um terço da sua capacidade contratada e onde havia 26 pessoas na UTI que viraram 24 porque duas morreram”, disparou Beting.

“Na hora em que era disputado um jogo em que não interessa para mim quem jogou, não interessa quanto foi o resultado… Eu quero que se explodam! Porque, na hora em que tinha gente comemorando gol, tinha gente celebrando, porque dá para infelizmente usar esse termo, a passagem de outras pessoas. Tinha uma partida de futebol e duas partidas de pessoas ao lado do estádio. Não é hipocrisia, gente! É a imagem que fica! Ter jogo ontem no Maracanã, ao lado do hospital de campanha, com enfermeiros, funcionários e médicos tentando salvar vidas é muito complicado. Eu tenho um amigo que conhece um médico que ficou órfão ontem enquanto tentava salvar a vida do próprio pai. É ter o mínimo de humanidade, gente!”, finalizou.

Confira, abaixo, o vídeo com o comentário completo de Mauro Beting: