Ministério Público pede indenização de 300 milhões de dólares às famílias das vítimas do acidente da Chapecoense

  • Por Jovem Pan
  • 11/02/2020 19h11 - Atualizado em 11/02/2020 19h27
TARLA WOLSKI/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOCorpo de Rafael Henzel foi enterrado no cemitério Jardim do Éden, em Chapecó

O Procurador Geral Carlos Prola Júnior afirmou durante audiência na CPIChape, no Senado, nesta terça-feira (11), que o pedido de indenização do Ministério Público às famílias das vítimas do acidente da Chapecoense, que deixou 71 mortos, além de seis sobreviventes, é de US$ 300 milhões.

Carlos Prola Júnior disse que o seguro da aeronave da LaMia, empresa que realizou o voo, caiu de US$ 300 milhões para US$ 25 milhões em 2016, ano do acidente.

“Eles foram reduzindo a cobertura, reduzindo o limite da apólice, que era de 300 milhões de dólares, e chegaram a US$ 25 milhões, menos de dez vezes o valor inicial que havia segurado aquela aeronave. Agindo dessa forma, permitiram a retomada da atividade de uma companhia que não tinha a mínima condição de operar”, afirmou o Procurador Geral.

“O MPF pede nessa ação que sejam condenados todos os envolvidos, inclusive a corretora e a resseguradora envolvida, e as empresas subsidiarias no Brasil desses grupos econômicos, tanto pela responsabilidade contratual, pelos seguros que foram firmados, tanto pela responsabilidade extracontratual, por derem causa a esse evento. A atuação dessas empresas não foi exatamente regular e eles deram causa a esse acidente no momento em que permitiram, firmando uma apólice muito abaixo do mínimo necessário para cobrir os riscos”, finalizou.