Na estreia de Valentim, Vasco bate o Botafogo e abre folga para a zona do rebaixamento

  • Por Jovem Pan
  • 17/10/2019 08h52
Rafael Ribeiro/VascoVasco vence o Botafogo em São Januário

Em um clássico sem muita técnica, mas disputado com enorme disposição, o Vasco derrotou o Botafogo, por 2 a 1, na última quarta-feira à noite, em São Januário, pela 26.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o time cruzmaltino chegou aos 34 pontos, em 11º lugar, com oito de vantagem para a zona de rebaixamento. Já o rival, que teve a estreia do técnico Alberto Valentim segue com 30 pontos, em 13.º.

O primeiro tempo foi muito agitado. Não houve um time dominante e ao final dos primeiros 45 minutos os jogadores foram aplaudidos pelos torcedores presentes em São Januário. Com agressividade dos dois lados, foi o Vasco quem abriu o placar, logo aos sete minutos. O sempre rápido Rossi invadiu pela diagonal no lado direito e rolou para Bruno Gomes. O chute saiu mascado, mas resvalou no pé de João Paulo e foi no ângulo de Diego Cavalieri, que pulou e não conseguiu desviar.

O gol não tirou o ânimo do Botafogo e nem tirou o ímpeto do Vasco, que continuou pressionando a saída de bola do adversário. Mas um lance de talento aumentou a vantagem dos anfitriões. Aos 17, o canhoto Ribamar pegou pela direita e bateu com rara felicidade. Cavalieri foi tarde na bola: 2 a 0.

Apesar da atmosfera toda favorável para o Vasco, o Botafogo se projetou para o ataque ainda mais. Yuri obrigou Fernando Miguel a fazer grande defesa, mas na cobrança de escanteio não teve jeito. Marcelo Benevenuto subiu mais alto que todo mundo e desviou de cabeça para diminuir, aos 21 minutos: 2 a 1.

O domínio do jogo ficou com os botafoguenses, enquanto os vascaínos passaram a atuar nos contra-ataques. Em dois minutos, mais quatro grandes chances foram criadas. Luiz Fernando, em lindo lance, errou o alvo. Cícero só não empatou porque Fernando Miguel fez mais uma grande defesa. O Vasco respondeu com Felipe Ferreira e Leandro Castán, mas eles foram mal nas finalizações.

O segundo tempo começou mais catimbado. O Botafogo começou melhor, mas mostrou problemas de marcação e propiciou espaços que o Vasco aproveitou a partir dos 15 minutos. O terceiro gol só não saiu porque Diego Cavalieri fez pelo menos quatro boas defesas.

Sem conseguir furar o bloqueio da zaga do Vasco, o Botafogo concentrou suas jogadas, ao alçar bolas em Diego Souza. E o veterano, sumido na primeira etapa, levou perigo para o adversário, com o papel de pivô. Em uma dessas jogadas, Léo Valencia quase empatou o jogo, aos 30 minutos.

Apesar da grande disputa a cada bola, mas leal, o único cartão amarelo só surgiu aos 33 minutos, para Leandro Castán. Aos 38, Fredy Guarín fez sua estreia no Vasco. Apesar de visivelmente fora de forma, o colombiano mostrou talento com a bola nos pés.

Valente, o Botafogo não se entregou e tentou o empate até o final. Se abriu atrás e chegou a levar o terceiro gol, marcado por Gabriel Pec, mas corretamente anulado pela arbitragem.

O Vasco chegou ao terceiro jogo sem derrota e quebrou uma sequência de cinco jogos (três derrotas e dois empates) sem vitória sobre o tradicional rival, que vê a zona de rebaixamento se aproximar com perigo.

Na 27ª rodada, o Vasco vai visitar o Internacional, domingo, no Beira-Rio. Já o Botafogo receberá o CSA, no Engenhão, na segunda-feira.

FICHA TÉCNICA

VASCO 2 X 1 BOTAFOGO

VASCO – Fernando Miguel; Yago Pikachu, Oswaldo Henríquez, Leandro Castán e Henrique; Richard, Bruno Gomes (Guarín), Felipe Ferreira (Marcos Júnior) e Rossi; Ribamar (Gabriel Pec) e Marrony. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

BOTAFOGO – Diego Cavalieri; Marcinho, Marcelo Benevenuto, Gabriel (Kanu) e Yuri (Lucas Barros); Cícero, Gustavo Bochecha, João Paulo e Rodrigo Pimpão (Léo Valencia); Diego Souza e Luiz Fernando. Técnico: Alberto Valentim.

GOLS – Bruno Gomes aos 7, Ribamar aos 17 e Marcelo Benevenuto aos 21 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO – Flávio Rodrigues de Souza (SP).

CARTÃO AMARELO – Leandro Castán.

RENDA – R$ 593.881,00.

PÚBLICO – 16.195 torcedores.

LOCAL – São Januário, no Rio.

* Com informações do Estadão Conteúdo