Obras indicam que Água Santa já conta com ‘vaga extra’ criada pela Red Bull

  • Por Allan Brito/ Jovem Pan
  • 12/04/2019 11h29
Allan Brito/ Jovem PanEstádio do Água Santa precisa ter capacidade para receber 10 mil pessoas na Série A1

Atualmente Red Bull Brasil e Bragantino estão na Série A1 do Campeonato Paulista, mas a empresa de bebidas energéticas vai comprar o time de Bragança Paulista em breve. Portanto, a não ser que aconteça uma reviravolta, será criada uma “vaga extra” na elite do estadual em 2020. E tudo indica que o Água Santa, de Diadema, já está contando com esse acesso, mesmo antes de disputar os jogos decisivos. O time já começou a fazer obras no próprio estádio para que ele possa receber jogos da primeira divisão.

O Bragantino já confirmou que fechará o acordo com a Red Bull, por um investimento inicial de R$ 45 milhões. Mas a empresa ainda não deu detalhes do acordo e nem se manifestou oficialmente. Essa falta de definição afeta diretamente os times da segunda divisão paulista.

Atualmente a Série A2 está nas semifinais. De um lado estão Água Santa e Santo André. Do outro estão XV de Piracicaba e Inter de Limeira. Os jogos de ida acontecerão neste sábado (12). Os vencedores destes duelos terão vaga garantida na elite. E a “vaga extra” irá para o time que ficar em 3º lugar geral, ou seja, aquele que tiver a melhor campanha entre todos que não foram para a decisão. Como o Água Santa teve ótimo desempenho na 1ª fase e nas quartas de final, já garantiu essa posição. Ninguém poderá alcançá-lo, mesmo se ele for eliminado com duas derrotas.

Por enquanto o Água Santa não comemora a “vaga extra”, afinal nada está oficializado. O técnico Márcio Ribeiro tenta evitar que os jogadores se acomodem: “no futebol paulista os bastidores mudam da noite pro dia. Botamos na cabeça que queremos o título dentro de campo e não podemos fazer nada sobre as outras equipes. Se essa 3ª vaga existir, já é nossa. Nós já a temos. Se os boatos forem verdadeiros, somos a única equipe que estamos entrando na semifinal já com vaga garantida na A1. Mas não acreditamos ainda que isso possa acontecer. Vamos brigar de toda forma pra isso acontecer dentro de campo”.

Mas as obras no estádio, que começaram nesta terça-feira (9), são um forte indício de que o time já conta com o acesso. Isso porque, para receber jogos da Série A1, o Estádio Distrital de Inamar precisará ter capacidade para 10 mil pessoas. Atualmente ele recebe cerca de 8 mil torcedores no máximo. Então uma parte da arquibancada está sendo demolida, para que seja construída uma melhor e maior no lugar.

O Água Santa já teve problemas por causa disso no passado. O time chegou na elite do Paulista rapidamente – virou profissional em 2013 e conquistou três acessos seguidos. Então as obras no estádio tiveram que ser aceleradas e até houve um desabamento, que deixou 3 feridos. Então uma parte da arquibancada ficou interditada – justamente esta que será reformada a partir de agora, para que o estádio tenha capacidade para 10 mil pessoas.

Audax pode ficar com “vaga extra”? 

O Grêmio Audax, que foi vice-campeão paulista em 2016, pode atrapalhar os planos dos semifinalistas da A2. Boatos dizem que o time de Osasco, que atualmente está na Série A3 (3ª divisão), teria interesse em comprar o Red Bull Brasil para ficar com as vagas na Série A1 e também na Série D nacional de 2020. Com isso, só 2 times sairiam da segunda divisão paulista. Mas até agora não há uma posição oficial do Audax sobre isso.