Com passado em comum, Felipe Melo defende Deyverson: ‘Ele vai melhorar’

  • Por Jovem Pan
  • 01/03/2019 17h30
César Greco/Agência Palmeiras/DivulgaçãoAssim como Felipe Melo, Deyverson foi multado pelo clube alviverde por conta de atos de indisciplina

Felipe Melo, um dos jogadores mais experientes do elenco do Palmeiras, concedeu entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (1º), na Academia de Futebol, e falou sobre as recentes polêmicas envolvendo o companheiro Deyverson. Para o camisa 30 alviverde, o atacante tem condições de se redimir dos erros cometidos recentemente.

“Eu vejo um cara que quer mudar, é meio caminho andado. Ele é um jogador que agrega muito. Eu falei que ele seria útil, um cara que briga muito pelo alto e no chão. Muitas vezes, essa luta é excessiva. Sou muito fã do guerreiro que ele é. Ele está aberto a escutar aquilo que temos para ajudar. Ele vai melhorar, e eu tenho certeza disso”, comentou.

Felipe Melo disse que se considera um exemplo para o companheiro mudar o comportamento e dar menos trabalho para a comissão técnica e diretoria do clube. Os dois têm em comum o passado marcado por expulsões, problemas disciplinares, broncas e multas, que no caso do volante, foram fundamentais para a mudança de atitude dentro de campo.

A última expulsão de Felipe Melo pelo clube foi em agosto do ano passado, quando levou cartão vermelho com apenas três minutos de jogo pela Libertadores da América. Multado com desconto no salário, o volante melhorou o comportamento.

“Por eu já ter passado por situações como a dele, procuro ajudar com experiência. Sou a experiência viva de quem pode mudar. Quando dói o bolso isso também é importante, como fez o Palmeiras”, afirmou o volante.

Deyverson foi multado recentemente pelo clube alviverde em R$ 350 mil por ter cuspido no corintiano Richard durante o Dérbi. O atacante recebeu uma suspensão de seis partidas no Campeonato Paulista e por pouco não foi negociado com o futebol chinês, mas recusou a proposta do Shenzhen FC por não querer deixar o Palmeiras por baixo.

Com informações de Agência Estado