Luxa é apresentado no Palmeiras: ‘Tenho longevidade, experiência e qualidade’

  • Por Jovem Pan
  • 20/12/2019 13h28 - Atualizado em 20/12/2019 13h34
Pedro Marques/Jovem PaLuxemburgo foi apresentado no Palmeiras

Vanderlei Luxemburgo foi apresentado como novo treinador do Palmeiras nesta sexta-feira (20). Iniciando a sua quinta passagem pelo Verdão, o experiente técnico afirmou focar no futuro, falou sobre colocar o Alviverde no topo do futebol brasileiro e garantiu não ser um profissional ultrapassado.

“É um prazer estar aqui. Legal que está concorrido. Sinal que vai ter cobrança de mais. É um prazer estar de volta ao Palmeiras, onde tenho uma história e conquistas importantes. Essas conquistas foram importantes, mas mais importantes é o que vamos fazer daqui para frente. Nossa propostas é novas conquistas, é o objetivo principal. Passado é passado. Presente é presente. Futuro é futuro. Vamos começar o trabalho dia 6, já preparando a equipe em busca de novas conquistas”, iniciou o comandante de 67 anos.

“Você me conhece há muito tempo. Chegar aqui para fazer entrevista, vejo minhas filhas ali. Elas fizeram questão de vir. Minhas filhas ficaram aqui em 93, minhas netas em 2008, ficavam no meu colo. É gostoso estar vivendo esse momento de novo. Não é um desafio, não gosto dessa palavra porque ela propõe algo que a pessoa não tem capacidade para fazer. O Palmeiras está me possibilitando a oportunidade de dar outro trabalho, mas não é um desafio. Essa possibilidade vou agarrar, como fiz em todas na minha vida. É muito importante para eu voltar ao Palmeiras, que tem uma estrutura fantástica”, continuou.

Questionado sobre o seu momento na carreira, Luxemburgo avisou que não está ultrapassado e exaltou suas qualidades.

“Ao longo do tempo, só fomos melhorando. Só estou aqui hoje porque tenho longevidade, experiência e qualidade. Se eu não tivesse, não estaria aqui hoje. Graças a Deus, tenho saúde e a experiência, porque o futebol você não fica ultrapassado. Na vida, você fica mais experiente e sábio na profissão. Então, um advogado de 70 anos sabe mais porque foi em várias Tribunas, por exemplo”, disse.

Veja a entrevista completa: 

O que pretende?

Estou preparado para fazer um grande trabalho. Cada treinador tem a sua maneira de trabalhar. Dentro do que vou fazer, vai passar por elenco, coisas que não fogem ao futebol. Restruturar um Palmeiras que está estruturado? ‘Ah, mas não ganhou esse ano!’ Mas o passado recente é de dois títulos do Campeonato brasileiro. Então não ganhou esse ano, mas ano que vem pode ganhar.

Esquemas táticos 

Assim, o momento é de cobrança por um futebol ofensivo. Mas quando não foi na história do futebol brasileiro? Sempre teve. Estamos muito preocupados com esquemas táticos, mas o DNA do Brasil é futebol de fazer coisas diferentes. Se não fizermos isso, vamos virar robô. Sempre ganhamos de europeus. Antes eles tinham tática, todo muito desenhada, mas o que nós fazíamos? O improviso.

Eu tô num clube que tem DNA de Academia, mas isso não quer dizer que eu não possa ter um time técnico e, ao mesmo tempo, defensivo. Essas coisas que estão falando hoje é com linguajar diferente, mas que nós já fizemos.

Mudanças de treinadores e queda no número de sócio-torcedores

O sócio-avante a gente vai convidar para ser o centroavante da equipe. Não podemos perder isso no sentido de investimento, a ter um trabalho mais confortável. Com certeza o que o Palmeiras propõe, o Allianz Parque, a Academia… Mas o torcedor quer time jogando. O torcedor vai ver uma equipe que vai jogar dentro do DNA do Palmeiras. Já vou convidar: precisamos de vocês. A gente não consegue um time vencedor com a diretoria, gestão técnica e comissão longes do time. Tenho certeza que o torcedor vai voltar.

A mudança de técnico não é uma novidade. Isso é característica do Brasil. Questão de norte eu estou, conforme conversei com o presidente, não só a proposta financeira, mas uma reestruturação. O resultado é o norte.

Vai fazer rodízio de jogadores? Qual o planejamento? 

É bom ter um elenco forte. São 12 grandes clubes. O Palmeiras ganhou 2 dos últimos 5 anos. Elenco ganha competição, time ganha jogo. A gente sabe da importância da versatilidade de 24 jogadores. Se você tem versatilidade, você tem mais jogadores. Essa coisa de rodízio são características pessoais. Precisamos discutir internamente, como vamos fazer o tipo de trabalho, como vamos encaixar com a fisiologia do Palmeiras com o meu pessoal. Digo sempre que essa discussão vai existir na preferência da competição. Preciso saber quando eu posso fazer o rodízio. Com certeza vai ter momentos que eu preciso fazer alguma coisa pelo número de competições.

Treinador tem que se modernizar? 

Isso faz parte. Eu não sou contrário a modernidade. Quem deu pontapé inicial, foi a WTorre. Isso é modernidade. Eu não sou avesso a modernidade. Eu só quero saber o que ela presta de auxílio. Ela abastece para te ruma entrevista melhor. Agora, você vai mudar sua qualidade ou acumula experiência? Você vai acompanhar os esquemas táticos, a intensidade houve uma mudança muito grande. Ao invés de correr 7 km, correm 11km por jogo. Isso é modernidade.

Ao longo do tempo, só fomos melhorando. Só estou aqui hoje porque tenho longevidade, experiência e qualidade. Se eu não tivesse, não estaria aqui hoje. Graças a Deus, tenho saúde e a experiência, porque o futebol você não fica ultrapassado. Na vida, você fica mais experiente e sábio na profissão. Então, um advogado de 70 anos, sabe mais porque foi em várias Tribunas, por exemplo.

Incomoda ser questionado?

O Telê Santana talvez tenha sido mais injustiçado porque perdeu duas Copas. Deram tanta pancada no Telê. Passou o tempo, ele veio se consagrar aqui no São Paulo. Era a mesma pessoa. É uma característica nossa do Brasil. Querem que você ganhe toda hora. Graças a Deus estou aqui respondendo você, que é sinal e que estou apto para trabalhar.

Palmeiras tem condições pra rivalizar com o Flamengo?

Eu não vou rivalizar com o Flamengo, mas com o futebol brasileiro. Eu tenho que disputar com os clubes que vão disputar para os clubes da competição. Vou direcionar para o Palmeiras se tornar o maior clube do país. O Flamengo vai estar incluído dentro da análise que vamos fazer para ganhar.

Muitas pessoas desconfiam de você ser atualizado. Vai mostrar que estão falando bobagem?

Estou com gana de mostrar para o Galiotte, para o torcedor do Palmeiras e ganhar. Você não tem que dar justificativa para ninguém. Cara, o trabalho no Vasco foi sensacional. Aqui no Palmeiras, a expectativa é de ganhar títulos. Aqui não é diferente de nenhum outro clube. A cobrança é dentro da grandeza do Palmeiras. Mas não estou preocupado. Se eu não ganhar o Paulista, já começa a pressão.

Vai usar a base? 

Bom, primeiro por mérito e acompanhamento diário. Minha história é botar moleque para jogar. A categoria de base é muito importante para o próprio negócio do futebol. Vou estar atento aos jogadores e já conheço. Quando estava no Vasco, sempre acompanhava o sub-20. E, obviamente, jogadores do Palmeiras vão ter uma janela para jogar. Seguir ou não, depende do jogador, não de mim.

A sua ideia quanto ao Deyverson e Lucas Lima

Eu não vou responder.

Opinião sobre Jorge Jesus

Essa discussão é eterna. É um mérito dele, mas não quer dizer que vai ganhar todo ano, que um brasileiro não vai ganhar no outro. Nos últimos dois anos, o Mano ganhou, o Felipão ganhou. A gente tem que dar os parabéns pelo trabalho. Ele e o Sampaoli fizeram bom trabalho. Não temos que ter as coisas da comparação. Quantos times bons tivemos no Brasil? O Brasil tem uma fartura de grandes equipes. Nós temos grandes equipes, grandes técnicos.

Você pensa em reformulação?

Isso não posso falar. Se eu falar o nome do jogador, o empresário aumenta de 1 para 10 milhões. Não adianta falar que vou mudar o elenco.