Polícia prende líderes de torcidas organizadas no Rio e faz buscas em estádios

  • Por Jovem Pan
  • 01/12/2017 09h03 - Atualizado em 01/12/2017 09h03
Agência BrasilEstádio Mário Filho, o Maracanã, é um dos alvos de buscas

Três líderes de torcidas organizadas de futebol do Fluminense foram presos pela Polícia Civil na manhã desta sexta-feira (1º) no Rio de Janeiro: Manuel de Oliveira Menezes, presidente da Young Flu, Luiz Carlos Torres Júnior, o Fila, vice-presidente da Young Flu, e Ricardo Alexandre Alves, o Pará, presidente da Força Flu.

Também foi preso o vice-presidente de Estádios do Botafogo, Anderson Simões. O dirigente estaria envolvido em esquema de repasse ilegal de ingressos a organizadas.

Além disso, a polícia faz buscas e apreensão no Engenhão, estádio do Botafogo, São Januário, estádio do Vasco, Laranjeiras, estádio do Fluminense, e Maracanã. As sedes dos clubes também são alvos de busca.

Foram alvos de condução coercitiva (levados para depor) o presidente da Raça Fla, Alesson Galvão de Souza, e o presidente interino da Fúria Jovem do Botafogo, Felipe Ferraz de Souza, o Fil. Fil comanda a Fúria botafoguense desde que o ex-líder Luis Felipe Fonseca da Silva, o “Canelão”, foi preso com outras 48 pessoas após briga entre flamenguistas e torcedores do Botafogo.

A ação é realizada pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) em conjunto com o Ministério Público e com o Juizado Especial do Torcedor. As investigações apontaram relações promíscuas entre os quatro grandes do Rio e suas respectivas torcidas. Ingressos eram repassados irregularmente para as organizadas e serviam também para mascarar a entrada em jogos de torcedores proibidos pela Justiça de frequentarem estádios após condutas violentas já identificadas.

Ao todo são cumpridos quatro mandados de prisão, oito de condução coercitiva e 14 de busca e apreensão.

Prisão recente

Nesta quinta-feira (30) já havia sido preso um integrante de torcida organizada Força Jovem, do Vasco da Gama, acusado de matar um torcedor do Flamengo em Niterói. Adriano Marcondes teria atirado na vítima durante briga em outubro.

Com informações do repórter Jovem Pan Rodrigo Viga: