Presidente da Federação Gaúcha: ‘No mês de maio não tem como jogar futebol’

  • Por Jovem Pan
  • 05/05/2020 19h04
Lucas Uebel/Grêmio/DivulgaçãoDupla Gre-Nal já retomou treinamentos no Rio Grande do Sul

Internacional e Grêmio retornaram aos treinamentos nesta semana, mas segundo as autoridades do Rio Grande do Sul, a bola deve demorar um pouco mais que o esperado para voltar a rolar. Em uma reunião realizada na sede do poder estadual, o governador Eduardo Leite, o presidente da Federeação Gaúcha de Futebol (FGF), Luciano Hocsman, discutiram os rumos do calendário gaúcho.

A expectativa era de que as atividades pudessem ser retomadas em maio, mas em entrevista ao Globoesporte, o próprio dirigente da FGF descartou a possibilidade. “Maio não tem condições, até pelas questões do retreinamento. Sabemos que tem cidades que não autorizaram qualquer atividade. No mês de maio posso afirmar que não tem como jogar futebol”.

A Federação apresentou um protocolo para a realização das partidas, e segundo Eduardo Leite, o documento será avaliado e considerado na edição do próximo decreto. O governador, porém, também está pessimista para um retorno imediato. “O que torna especialmente difícil conseguir enxergar neste momento um retorno seguro ao futebol. É que o campeonato estadual precisa de uma regra uniforme no território. E o novo protocolo justamente vai não pela uniformidade do Estado, mas sim pela regionalização”, afirmou. O novo decreto deve ser publicado até a próxima sexta-feira.

O documento sugere um número máximo de 180 pessoas em cada partida, caso sejam retomadas, já incluídos os atletas, comissões técnicas, de arbitragem e todo o restante das delegações. Tudo será avaliado antes da retomada. Segundo Hocsman, as diretrizes também englobam protocolos para chegada de atletas, posicionamento de ônibus, uso de máscaras, disposição da imprensa, entre outras determinações.

A FGF disponibilizou 50 testes para todos os clubes que retornaram aos treinamentos, e outros 50 para quando a competição for reiniciada. Os jogadores poderão ser submetidos a mais exames ao fim das fases classificatórias.

Ainda de acordo com o governador, é “impossível” prever o futuro do futebol no Rio Grande do Sul. “Mesmo que retomássemos o campeonato agora, ele levaria mais dois meses para ser concluído, entre tempo preparatório, de remobilização, os treinos e o período necessário para os jogos. Absolutamente impossível neste momento conseguir fazer uma projeção do que teremos efetivamente pelos próximos dois meses”

O secretário de Esporte e Lazer, João Derly o vice-governador, Ranolfo Vieira Júnior, e o chefe de gabinete, Paulo Morales, também estiveram no encontro.