Presidente do Flamengo revela que Juan decidirá o seu futuro após grave lesão

  • Por Estadão Conteúdo
  • 09/09/2018 14h15
Divulgação CRFO zagueiro Juan, de 39 anos, sofreu uma lesão no tendão de Aquiles

O futuro do zagueiro Juan no Flamengo será decidido por ele mesmo. Quem garante isso é o presidente do clube, Eduardo Bandeira de Melo, que assegurou ao veterano defensor, de 39 anos, a opção de seguir ou não na equipe após a recuperação de uma lesão no tendão de Aquiles sofrida no treinamento da última sexta-feira (7), que deverá fazer com que fique afastado dos gramados pelo período de seis a oito meses.

“É extremamente pesaroso enfrentar essa situação do Juan, nosso jogador mais emblemático e que está passando por esse sofrimento. Sofrimento este que se estende a todos os seus colegas, à diretoria e à torcida. Antes do doutor Márcio (Tannure) dar os detalhes, eu gostaria de dizer que o Flamengo está totalmente solidário e vai prestar todo o apoio nesse processo de recuperação”, declarou o presidente logo após a vitória sobre a Chapecoense por 2 a 0, na noite de sábado (8), no Maracanã, pelo Campeonato Brasileiro.

“Espero que ele possa voltar muito em breve. Tudo indica que não joga mais esse ano. Mas independentemente de quando ele volta, o Flamengo faz questão de prestar toda a solidariedade ao jogador. Com relação ao futuro, vai ser do jeito que ele quiser. Assim como o contrato dele, o meu também termina no final do ano. Mas tenho certeza de que o Flamengo terá continuidade do que tem feito nos últimos seis anos. Na próxima administração, tenho certeza de que o respeito ao Juan não sofrerá nenhum arranhão”, completou Bandeira de Melo.

O médico do Flamengo falou em seguida e explicou a situação do jogador com mais detalhes, inclusive a previsão para sua volta aos treinos. “Ontem (sexta-feira), no fim do treinamento, Juan sofreu uma lesão no tendão de Aquiles. Ocorreu uma ruptura completa. Juan foi levado para fazer exames que confirmaram nosso diagnóstico inicial. Ele será operado segunda-feira de tarde. É uma lesão que tem prazo de retorno de seis a oito meses, então esse ano ele não joga mais. A gente espera que depois deste período ele possa estar de volta”, explicou.

“Toda cirurgia tem seu índice de complicação. Nenhuma é um sinônimo de sucesso. Um dos riscos é uma sutura, que não feche direito e que rompa de novo. Mas não estamos pensando nisso agora. Estamos pensando no sucesso. Acreditamos que a cirurgia será boa. Ele vai ficar em torno de seis a oito semanas com pé imobilizado, só depois colocaremos um pouco de carga. E depois de seis a oito meses ele poderá estar de volta, é o nosso prazo”, finalizou Tannure.