Presidente do Paraguai pede investigação interna no caso Ronaldinho Gaúcho

  • Por Jovem Pan
  • 09/03/2020 16h00 - Atualizado em 09/03/2020 16h16
EFE/Nathalia AguilarRonaldinho Gaúcho está preso desde sexta-feira no Paraguai

O presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, ordenou que seja feita uma investigação interna no Departamento de Migração e Identificação após o escândalo envolvendo o ex-jogador Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Assis, presos desde sexta-feira por terem entrado no país com documentos falsificados.

Segundo o ministro da Secretaria Nacional Anticorrupção (Senac), Rene Fernández, responsável pelo anúncio, o objetivo é identificar irregularidades nas instituições que estão fora do escopo do Ministério Público. A Senac será um elo com o MP “para superar quaisquer obstáculos que possam surgir o mais rapidamente possível e com maior esforço para assegurar que os fatos sejam esclarecidos”.

A direção-geral de Migrações e o departamento de Identificação da Polícia Nacional estão em evidência desde o desembarque de Ronaldinho.

Dalia López

A Fundação Fraternidade Angelical, que seria apoiada por Ronaldinho Gaúcho durante sua passagem por Portugal, será suspensa pelo governo. A instituição é presidida por Dalia López, empresária que recebeu os irmãos brasileiros no aeroporto e possui um mandado de prisão.

Um dos advogados da empresária, Álvaro Arias informou nesta segunda-feira que Wilmondes Souza, preso por entregar os documentos a Ronaldinho e Assis, pediu que à empresária que intermediasse o processo de emissão dos papéis. Ele afirma que Dalia ordenou o procedimento, mas diz que ela não estava envolvida na gestão da emissão.

*Com EFE