Provocação, ironia e protesto: relembre cantos “inusitados” das torcidas brasileiras

  • Por Jovem Pan
  • 28/09/2017 10h00 - Atualizado em 27/09/2017 17h59
Montagem / DivulgaçãoTorcedores brasileiros abusam da criatividade para provocar os rivais e incentivar seus times

Recentemente os torcedores do Manchester United criaram uma canção um tanto quanto inusitada para Romelu Lukaku. Os fãs do clube inglês resolveram “homenagear” o órgão genital do atacante. “Romelu Lukaku, ele é nosso gênio artilheiro belga, com um pênis de 60 centímetros, marcando nossos gols, glande até o dedo dos pés”, diziam.

A canção, que era uma paródia de “Made of Stone”, um dos sucessos da banda inglesa Stone Roses, acabou causando uma grande polêmica. Os Red Devils foram denunciados por racismo, já que a letra reforçava a imagem criada para os órgãos genitais dos homens negros. Clube e o próprio jogador tiveram que pedir para os torcedores não cantarem mais.

Músicas polêmicas como a cantada para o belga Lukaku não é novidade, ainda mais no Brasil. Por aqui é comum ver torcedores entoarem cânticos inusitados, irônicos e ofensivos para o próprio time ou jogador, mas principalmente para os adversários. A Jovem Pan destaca algumas canções que marcaram as arquibancadas do futebol brasileiro:

Vampeta x Messi

Depois do sucesso do “mil gols, mil gols, só Pelé, só Pelé”, a torcida brasileira criou uma nova canção durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro para provocar os argentinos.

Ziiiiikaaa”…

Antes das Olimpíadas Hope Solo fez uma “brincadeira” com o vírus da Zika ao publicar uma foto mascarada com um kit de proteção. A torcida brasileira não gostou e não perdoou a goleira.

“Homenagem” ao Mito

Rogério Ceni sempre foi alvo de provocações dos rivais. Não poderia ser diferente. Os palmeirenses, por exemplo, nunca esqueceram de quando o Mito foi reserva de São Marcos:

Soberano nas arquibancadas

O atual momento do São Paulo pode não ser bom, mas a torcida tricolor não deixa de provocar os rivais. “Não alugo estádio, sou hexa brasileiro, nunca fui rebaixado”.

Lusa x CBF

O rebaixamento da Portuguesa no Brasileirão de 2013 via tapetão jamais será esquecido pelos torcedores do clube paulista. E eles reforçam o “carinho” com a CBF através da música.

Amor pelo bairro

O Juventus é um dos times mais tradicionais do futebol paulista, mesmo estando longe da elite estadual. Só que para torcida não existe divisão. O amor pelo clube (e pelo bairro) é incondicional.

Melhor que Eto’o

Obina defendeu o Flamengo por cinco anos. Neste período, conquistou uma Copa do Brasil e três Cariocas. Porém, o mais marcante em sua passagem foi a música criada pela torcida rubro-negra.

A bênção do Papa

No Carioca de 1980 a torcida do Flu cantou a “Benção João de Deus” e o time venceu o Vasco. A partir de então, o Papa João Paulo II se tornou um “talismã” para os torcedores.

Tema da Vitória

As vitórias de Ayrton Senna marcaram os brasileiros. Foram tantas que a música tema de seus triunfos ganharam versões no mundo da bola, como no Internacional.