Red Bull deve ‘comprar’ Bragantino, mas parceria ainda está mal explicada

  • Por Jovem Pan
  • 25/03/2019 09h25 - Atualizado em 25/03/2019 09h28
Red Bull Brasil/ DivulgaçãoRed Bull Brasil não conseguiu vaga na Série D de 2019 e pode disputar Série B com parceria

Depois de uma série de boatos confusos, tudo indica que a Red Bull vai fechar uma parceria com o Bragantino no interior paulista. O acordo não está 100% fechado por enquanto, mas a direção do time de Bragança admite que tem negociações avançadas para que um contrato seja assinado em breve.

A Red Bull tem times em 3 países (Alemanha, Áustria e Estados Unidos) e sempre comprou clubes que existiam anteriormente. No Brasil a tática foi diferente até agora. Foi criado um novo time, Red Bull Brasil, que criou um CT em Jarinu e joga em Campinas. Dessa forma a empresa de bebidas energéticas chegou na elite do Campeonato Paulista – e inclusive fez a melhor campanha da 1ª fase de 2019. Mas nunca conseguiu sair da Série D. Neste ano, a equipe sequer tem vaga para disputá-la.

Então a Red Bull deve adotar a estratégia que aplicou em outros países, comprando times que já existem. No Brasil a equipe já ficaria com uma vaga na Série B. Neste final de semana foi especulado que o Bragantino seria vendido por R$ 45 milhões.

Presidente do Bragantino, Marquinhos Chedid diz que na verdade esse será o valor investido apenas para disputa da Série B. Em entrevista à Rádio 102 FM, ele tentou explicar que a Red Bull funcionará como uma patrocinadora que vai fazer a gestão do clube: “teríamos condições de montar um time forte, com amparo financeiro e capaz de chegar à elite. A administração do futebol ficaria todo a cargo do próprio Red Bull, que dispõe de uma grande estrutura”.

Chedid entende que, se não fechar essa parceria, o Bragantino ficará eternamente como um time pequeno: “o Bragantino está em uma encruzilhada. Ou vai ser um time pequeno e desaparecer, ou vai ser um grande time. E essa oportunidade que nós estamos tentando viabilizar é única. Nós temos que fazer o Bragantino ser grande. E uma oportunidade dessa é única”.

O presidente afirmou que, além do investimento em reforços, também haverá melhorias no estádio: “vai ter arena, claro. Dentro do projeto, está melhorias do estádio Nabi Abi Chedid”.

Mas ainda restam dúvidas no ar, que provavelmente só serão respondidas quando houver a assinatura de contrato. Não está claro se o nome, o escudo e camisa do Bragantino mudarão. É possível que o time passe a se chamar “Red Bull Bragantino” e tenha mudanças no escudo, além de estampar a marca da Red Bull nos espaços de patrocinador.

Pelas declarações de Chedid, fica evidente que a diretoria atual não fará esforço para manter muitas tradições. “Não vejo problema nenhum de botar o nome RB Bragantino”. Ele sequer pretende ter controle sobre as decisões: “eu não tenho essa vaidade. Eu quero ver o Bragantino forte, continuo, eterno e sem problema”. Chedid também abre mão de resolver sobre o aproveitamento dos jogadores dos 2 times: “isso eu vou deixar para a Red Bull resolver. Isso eu não vou interferir”.

A direção do Red Bull Brasil ainda não se manifestou sobre o acordo. O presidente, Thiago Scuro, fez uma viagem à Europa para definir diretrizes do clube em 2019. Foram negociadas parcerias com Oeste e Paulista, mas não devem ser fechadas.

Enquanto não faz esse acordo com o Bragantino, o Red Bull Brasil disputa uma vaga na semifinal do Campeonato Paulista. O time perdeu para o Santos por 2 a 0 no jogo de ida, no Estádio do Pacaembu. A partida de volta, em Campinas, será nesta terça-feira (26), às 20h (de Brasília).