Rivaldo revela que esteve perto do Real Madrid quando deixou o Barcelona

  • Por Jovem Pan
  • 07/08/2019 15h03
Divulgação/Barcelona Rivaldo foi ídolo no Barcelona, onde atuou entre 1997 e 2002

O ex-meia Rivaldo revelou nesta quarta-feira (7) que teve a oportunidade de ir para o Real Madrid quando deixou o Barcelona, em 2002, dois anos depois que o português Luis Felipe Figo fez esse caminho, mas acabou se transferindo para o Milan.

O melhor jogador do mundo 1999, segundo eleição da Fifa, afirmou em entrevista ao site “Betfair”, que na época teve conversas iniciais com o Real, mas que depois disso o Milan apareceu com uma boa proposta e ele preferiu vestir a camisa ‘rossonera’.

“Teria sido uma transferência polêmica se eu tivesse assinado com o Real Madrid. Poderia ter irritado os torcedores do Barcelona, mas não tinha trabalho naquele momento, e, como profissional, não se pode abrir mão de conversa alguma com os clubes que se interessam por você. Depois de tudo, estava livre para ir para onde quisesse”, lembrou Rivaldo, cujo contra com o Barça havia acabado em 30 de junho de 2002, dia da conquista do pentacampeonato mundial pela seleção brasileira.

O ex-camisa 10 falou sobre a transferência que acabou não acontecendo para comentar a situação do meia colombiano James Rodríguez, que pode trocar o Real pelo Atlético de Madrid. “Estas contratações sempre são polêmicas, mas a última palavra quem tem sempre é o vendedor, e se nesta ocasião o Real se negar a vender James, não haverá negócio”, destacou.

Rivaldo falou também sobre a chegada do francês Antoine Griezmann ao Barcelona, o que, segundo o brasileiro, é uma chance para que a equipe catalã demonstre que não é dependente de Lionel Messi.

“É importante renovar a equipe e preparar o futuro para que o clube não seja pego de surpresa quando a sua estrela decidir se transferir ou se aposentar. Não haverá outro novo Messi, mas é importante ter outros jogadores capazes de fazer a diferença quando ele sair. Antoine pode substitui-lo, porque é um jogador excelente, mas quando não tiverem mais Messi em campo, certamente vão sentir saudade”, analisou.

  • Com informações da EFE