Só coincidência? Saiba se atletas têm mais chance de ter câncer no testículo

  • Por Jovem Pan
  • 01/08/2017 08h00 - Atualizado em 01/08/2017 12h05
Lista de atletas diagnosticados com câncer no testículo é relativamente grande. Só coincidência?

Arjen Robben, Lance Armstrong, Éric Abidal, Jonas Gutierrez, Nenê Hilário, Magrão, Douglas Friedrich e, agora, Ederson. Não são poucos os casos de atletas acometidos por câncer no testículo. A doença, incomum do ponto de vista médico, já afetou ao menos oito esportistas de alto nível nos últimos anos. Só coincidência?

Sim.

Em entrevista exclusiva a Fredy Junior, para a Rádio Jovem Pan, o presidente da Sociedade Brasileira de Patologia, Clovis Clock, esclareceu que não há qualquer tipo de relação entre a prática de esportes e o aparecimento de um tumor no testículo. A questão primordial, nesse caso, é a idade.

“O tumor no testículo é um tumor raro, que acomete aproximadamente 1% da população masculina. Ele acomete, em geral, pacientes jovens, de 15 a 50 anos, com maior prevalência dos 25 aos 35 anos. Há diversos casos envolvendo atletas, mas isso não quer dizer que haja alguma relação. A questão principal, aqui, é a faixa etária”, explicou.

“Os atletas geralmente são pessoas jovens, e o tumor no testículo acomete geralmente pessoas jovens, que estão na chamada flor da idade. Não passa de uma coincidência. O câncer no testículo não tem uma causa específica”, acrescentou.

Segundo Clock, não há nem prevenção para esse tipo de doença. O importante, mesmo, é fazer um rápido diagnóstico. “O que se deve ser feito é enfatizar que o homem realize o autoexame do testículo, como a mulher faz na mama. É muito simples de fazer, depois do banho… Geralmente, um nódulo deixa um testículo mais enrijecido do que o outro, e isso pode configurar um tumor.”

Caso Ederson

O meio-campista Ederson, do Flamengo, foi diagnosticado com câncer no testículo na semana passada, após realizar um exame antidoping. Ele já operou e, segundo Clovis Clock, não terá problemas para voltar aos gramados. O retorno deve acontecer já no ano que vem.

“Com câncer de testículo, quando ele está localizado apenas no testículo, sem metástase, a chance de cura é de quase 100%. Com certeza, o Ederson muito provavelmente poderá voltar a jogar já no ano que vem. Não há muitos problemas para a cura dessa doença”.

Ederson tem 31 anos.

Divulgação / CR Flamengo