“Salvador de rebaixamentos”: Dorival carrega histórico de livrar times do Z4

  • Por Jovem Pan
  • 10/07/2017 11h00
Dorival assumiu o Santos no Z4 e levou o time às primeiras colocações e à final da Copa do Brasil de 2015

Como não se bastasse a missão de substituir Rogério Ceni, demitido na última semana, Dorival Júnior chega ao São Paulo com uma preocupação tão grande quanto: impedir o Tricolor de ser rebaixado para a Série B do Brasileiro pela primeira vez em sua história.

Derrotado pelo Santos, que era comandado por Dorival até o começo de junho, por 3 a 2 no último domingo (9), o São Paulo amarga a vice-lanterna (19º lugar) do Campeonato Brasileiro, com apenas 11 pontos conquistados. Já faz um mês que o time do Morumbi não sabe o que é vencer, com cinco derrotas e dois empates no período.

Pegar um time que beira a queda não é uma novidade nos quinze anos de carreira do treinador. Não seria nenhum exagero chamar Dorival Júnior de “salvador de rebaixamentos”. Logo em seu primeiro trabalho como técnico, em 2002, ele livrou a Ferroviária de Araraquara de cair para a segunda divisão do Paulistão (equivalente ao quarto nível do estadual).

Ao todo, dos 17 que comandou até aqui, Dorival conseguiu salvar quatro times da ida à Série B do Brasileiro, além de ter dado o título da segunda divisão ao Vasco da Gama, em 2009.

Será que ele conseguirá manter a fama e tirar o São Paulo da degola? Enquanto o Tricolor não alcança os 45 pontos matematicamente necessários para permanecer na elite do futebol nacional, a Jovem Pan relembra as campanhas que fizeram de Dorival Júnior o “salvador” dos times à beira da queda. Confira:

Atlético-MG – 2010

Poucos dias após ser demitido do Santos, onde foi campeão paulista com o time de Neymar e companhia, Dorival Júnior foi contratado pelo Atlético-MG, que era comandado por Vanderlei Luxemburgo e ocupava a vice-lanterna do Brasileirão, com 21 pontos. Estreando já na 25ª rodada, Dorival conquistou sete vitórias e três empates e, além de livrar o Galo da sua segunda queda, ainda classificou o time para a Copa Sul-Americana.

Divulgação / Bruno Cantini / Atlético-MG

Dorival Júnior no Atlético-MG: sete vitórias em 13 jogos

Fluminense – 2013

Foi sob o comando de Dorival Júnior que o Fluminense conseguiu a polêmica permanência na Série A de 2013. Mais por méritos dos advogados do clube que pelo desempenho do time em campo. Dorival comandou o time carioca por apenas cinco jogos e venceu três jogos, porém o acesso só foi garantido graças aos pontos perdidos pela Portuguesa por conta da escalação irregular do meia Héverton.

Divulgação / Nelson Perez / Fluminense FC

Dorival Júnior no Fluminense: três vitórias em cinco jogos

Palmeiras – 2014

Escolhido para substituir o argentino Ricardo Gareca no Palmeiras, Dorival passou todo o segundo turno do Brasileirão flertando com uma terceira queda, justamente no ano em que voltou à primeira divisão. Ao longo dos três meses de trabalho, o treinador conseguiu seis vitórias e cinco empates em 20 jogos. A melhor colocação do Verdão no período foi uma 14ª colocação, mas a certeza da permanência veio apenas na última rodada, graças ao empate com o Atlético-PR.

Palmeiras/Divulgação

Dorival Júnior no Palmeiras: seis vitórias em 20 jogos

Santos – 2015

Dorival voltou ao Santos em um cenário muito semelhante ao encontrado agora em 2017 no São Paulo. Assim como o cenário atual, Dorival assumiu o time na 13ª rodada como substituto de uma aposta caseira, no caso Marcelo Fernandes. Naquela ocasião, o Santos abria a zona de rebaixamento com um ponto a menos que o Tricolor tem atualmente, 10.

Sob o comando de Dorival, o Santos não apenas se recuperou na tabela, como também flertou com o G4 e chegou à final da Copa do Brasil, sendo derrotado pelo Palmeiras. Na reta final, por ter priorizado a decisão, acabou oscilando e terminando o Brasileirão na sétima colocação, com 58 pontos.