Santos conta com ajuda do banco e bate a Ponte Preta de virada

  • Por Estadão Conteúdo
  • 25/01/2018 21h46 - Atualizado em 25/01/2018 22h00
MATHEUS RECHE/ESTADÃO CONTEÚDOJovem Rodrygo garantiu a vitória do Santos, nos acréscimos, diante da Ponte Preta

Em sua segunda partida pelo Santos, Eduardo Sasha saiu do banco para balançar a rede pela primeira vez e abrir caminho para a vitória de virada sobre a Ponte Preta, nesta quinta-feira, em Campinas. Os reservas, aliás, definiram o resultado para o time visitante. Rodrygo, de apenas 17 anos, marcou nos acréscimos do segundo tempo e foi o responsável por garantir o triunfo por 2 a 1, pela terceira rodada do Campeonato Paulista.

O Santos vinha de derrota para o Bragantino, em casa, e buscou a recuperação para chegar aos seis pontos, na liderança do Grupo D Neste domingo, o time alvinegro encara o Ituano, no Pacaembu. Já a Ponte Preta parou nos três pontos, acumulou a segunda derrota seguida e é vice-líder do Grupo B. Também no domingo, visita o São Bento em Sorocaba.

O Santos não teve nesta quinta o volante Renato, poupado, e viu Jair Ventura barrar Romário, na tentativa de corrigir os problemas apresentados na lateral esquerda, principalmente na defesa. Não deu certo, porque logo nos primeiros minutos a Ponte Preta aproveitou espaço pelo setor para abrir o placar.

O time da casa já havia mostrado uma postura bastante ofensiva e demorou apenas 20 segundos para arriscar pela primeira vez, em chute de fora de Jeferson, que levou certo perigo. Aos oito minutos, saiu o gol. Felippe Cardoso arrancou pela direita, passou como quis por Caju, substituto de Romário, e cruzou para Léo Artur. Mesmo com pouco ângulo, o meia venceu Vanderlei e balançou a rede.

O Santos exibiu muita dificuldade na criação e chegou apenas uma vez no primeiro tempo, na jogada aérea. Aos 26, Arthur Gomes cruzou da direita e Luiz Felipe subiu sozinho, mas errou o alvo e jogou por cima. Mas foi só isso no primeiro tempo, muito truncado e repleto de jogadas duras, que resultaram em seis cartões amarelos e em uma pequena confusão entre os jogadores na saída para o vestiário.

Na etapa final, o Santos até tentou na base da insistência e chegou aos oito minutos, em chute de Vecchio que parou em boa defesa de Ivan. Aos 11, Copete recebeu na área, balançou para cima da marcação e encontrou espaço para bater cruzado. O goleiro da Ponte defendeu meio sem jeito.

Mas logo o time visitante parou de incomodar e obrigou Jair a mudar. O volante Matheus Jesus deu lugar ao meia Jean Mota. Inoperante, Rodrigão saiu para a entrada de Eduardo Sasha. E não demorou para o atacante mostrar serviço. Aos 28, Copete recebeu com espaço na esquerda e cruzou para a área, onde Sasha se antecipou à defesa para desviar de cabeça para a área.

O gol mudou o confronto e as duas equipes se abriram. No minuto seguinte, Felipe Saraiva cortou a marcação na entrada da área e bateu cruzado, com muito perigo. Mais um minuto, e a resposta do Santos quase foi fatal. Vecchio deu enfiada precisa para Arthur Gomes, que arrancou completamente sozinho e tocou por cima de Ivan, para fora.

Assustada, a Ponte viu o Santos dominar os minutos seguintes e acumular chances perdidas. Jean Mota, de fora da área, levou perigo aos 37 minutos. Pouco depois, Copete recebeu pela esquerda, passou pela marcação e bateu cruzado, mais uma vez parando em Ivan.

Mas em meio às oscilações de ambos os lados nesta partida, foi a Ponte que passou a pressionar. Fellipe Cardoso, em duas oportunidades, e Tiago Real assustaram o gol de Vanderlei. E quando os mandantes pareciam mais perto do gol, Rodrygo recebeu na área, cortou a marcação e bateu no canto direito para marcar o gol da vitória, aos 46.