Gustavo Henrique esfria renovação com o Santos e reforça desejo por Europa

  • Por Jovem Pan
  • 16/10/2019 12h00
Maurício de Souza/Estadão ConteúdoGustavo Henrique chegou ao Santos em 2007, quando ainda era criança

Gustavo Henrique concedeu entrevista coletiva nesta quarta-feira (16) e fez um verdadeiro desabafo sobre sua situação no Santos. Com contrato apenas até janeiro de 2020, o zagueiro explicou o porquê não ter entrado em um acordo com o clube, praticamente descartou estender o vínculo com o Peixe e voltou a manifestar o desejo em jogar na Europa.

“Sobre o contrato, vim para esclarecer algumas coisas. No final do ano passado, estava querendo renovar e não obtive respostas, comecei o ano na incerteza sobre ficar. Muitos sabem que eu não estava nos planos do Sampaoli. Coloquei na minha cabeça que tinha condição de jogar aqui e com Sampaoli”, disse.

“Esperava a procura pela renovação do contrato, faltavam sete meses e não fui chamado. Creio que estou fazendo um ano, um dos melhores, talvez o melhor da minha vida. Só eu sei o que sofri para superar as lesões. Minha família sabe. Esperava o reconhecimento de me chamar antes, fui chamado faltando dois meses para poder assinar um pré-contrato”, completou o defensor.

Em tom de despedida, Gustavo voltou a falar sobre o desejo de atuar no Velho Continente e revelou ter recebido algumas propostas.

“Sempre manifestei meu desejo de jogar um dia na Europa e fui procurado por alguns clubes do Brasil, não abri negociação, esperei o Santos tentar melhorar ou algo assim. A partir do momento que fui chamado para receber a proposta de renovação eu estava com a cabeça de que iria sair, porque não havia sido chamado antes. Meu pensamento era ir para a Europa. Quem não quer? Foi desde pequeno isso. A gente começou a ficar nessa divisória de ir para a Europa ou renovar. Quando recebi a proposta, pedi para meu empresário viajar para Europa para que algum clube pagasse algum valor, multa é impossível”, falou.

“Vou escolher o que for melhor para mim e para minha família. Se eu ficar, vou continuar trabalhando. Se sair, vai ser de cabeça tranquila. Sei que sempre dei meu melhor”, prosseguiu.

Abrindo o jogo, Gustavo Henrique, de 26 anos, afirmou que irá colocar na balança o fator financeiro, ainda que não queira “extorquir” o Santos.

Vou pensar na minha felicidade e da minha família. Se eu for ganhar milhões e não ser feliz, vou viver dentro de um aquário e não conseguirei sair de lá. Claro que o financeiro é importante, estou com 26 anos, tenho família, mais oito ou 10 anos de carreira e tenho que pensar no financeiro, sim. Não quero extorquir, extorquir não. Não quero pedir além, sei o que o Santos pode pagar, é salário bom, mas não se compara com outros mercados que vieram atrás de mim”, cravou.

“Vou pensar no melhor para mim. Sempre me dediquei muito a esse clube. Se um dia eu sair, vai ser com cabeça erguida, pela porta da frente. Vou pensar muito. Aqui se valoriza muito quem vem de fora, não valorizam quem realmente se importa com o clube”, concluiu.