Jesualdo elogia trabalho de Sampaoli, exalta história do Santos e promete time equilibrado

  • Por Jovem Pan
  • 08/01/2020 13h18
Divulgação Jesualdo Ferreira é o novo treinador do Santos

Jesualdo Ferreira foi apresentado como novo treinador do Santos na tarde desta quarta-feira (8). Em longa entrevista, o treinador português falou sobre o trabalho do seu antecessor Jorge Sampaoli, demonstrou conhecer a história do time da Vila Belmiro e prometeu aos torcedores um time competitivo e equilibrado.

Bem-humorado, o treinador de 73 anos abordou diversos assuntos durante a coletiva e mostrou saber conhecer tanto o passado recente do Peixe, quanto as glórias mais antigas, como as conquistas da equipe liderada por Pelé.

“O momento chegou agora. Com todas as dificuldades que pudesse sentir, jamais iria recusar vir treinar o clube do Pelé, um clube mítico, minha primeira referência do futebol brasileiro, quando o Santos foi campeão do mundo”, disse.

“Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe, com Zito por trás, foi a minha primeira referência. Quando entrei no Memorial, mexeu comigo. Eu gostaria muito de poder estar com eles, mostrar minha admiração e mostrar como são importantes para o clube. Essa é a história do Santos. No vestiário do Santos, onde colocam as roupas, tem o nome e a fotografia de quem jogou. O Santos nunca colocou para fora a realidade do clube”, continuou.

Aprovando o desempenho de Sampaoli à frente do time, Jesualdo falou que tentará formar um time mais equilibrado.

“Aquilo que Sampaoli fez ano passado foi um trabalho notável. Não estava nas previsões que pudesse fazer aquilo. Quando encontrar os jogadores, vou tirar o chapéu. Eles têm que se sentir orgulhosos do que fizeram ano passado”, afirmou.

“O Santos é uma equipe que jogava ofensivamente, uma atitude perfeitamente clara. Uma equipe com jogadores rápidos na frente e mais ou menos a mesma envergadura. Um meio de campo muito mais experiente. E cuidava pouco de sua defesa. Foi uma equipe que me agradou. Gosto dessas equipes. Mas também é verdade que tem de existir um equilíbrio. A minha expectativa é melhorar o que era muito bom e o que também foi menos bom. São jogadores que me agradam e que me motivam para trabalhar de acordo com o meu modelo”, analisou o português.

Veja outros trechos da entrevista: 

Jorge Jesus

Eu e Jesus somos amigos e os treinadores mais campeões de Portugal. Conheço suas qualidades. É obstinado e tem uma linha que é muito difícil mexer. Tem sua forma e seu estilo. Goste ou não goste, é aquilo. Ele tem mais que eu. Temos uma forma de ver o futebol muito parecida. Vocês já viram Jesus, agora aguardem para me verem.

Paulistão 

É o Estadual mais forte do Brasil. São Paulo é uma capital financeira muito forte. É o estado mais rico. Tem mais gente. Será sempre o campeonato mais difícil, porque vai ter Corinthians, Palmeiras. É o mais difícil. Vai ser uma guerra, uma luta. Vai ser duro. Para mim, é muito sério e muito importante.

Adaptação

Vamos tentar melhorar o que era ruim e ainda mais o que dava certo. Mas não tem tempo. Não tem tempo para influenciar jogador, conversar. Não tem muito, mas é com isso que vamos viver. O que acontece na Europa é que você tem quatro semanas para preparar uma equipe, mas depois também não para mais. O que é diferente é que os campeonatos são diferentes do que acontece no Brasil. Essa situação obriga que os treinadores e jogadores se adaptem. Eu tenho 10 dias para treinar a equipe, entrar no primeiro jogo e ganhar. Depois, ganhar. Onde está o tempo para treinar? Não tem. Vai ser durante a competição. Essa é a realidade. Isso influencia muito o que vai acontecer.

Quaresma no Peixe?

Os torcedores estão loucos com o Ricardo (Quaresma)? O Ricardo Quaresma é uma referência muito importante na minha vida. Ganhamos muito algumas coisas. É campeão europeu por Portugal, ganhou a Liga das Nações. O Ricardo é muito especial, é um talento. Eu não falei ainda sobre o Ricardo. Vi que tem uma grande onda nas redes sociais.