Santos abre 3 a 0, mas cede empate ao Fortaleza e é vaiado na Vila Belmiro

Santos fez 3 a 0 no primeiro tempo, mas deixou o Fortaleza buscar o empate na segunda empate

  • Por Jovem Pan
  • 25/08/2019 18h34
HENRIQUE BARRETO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOO Fortaleza arrancou um empate do Santos em plena Vila Belmiro

Parecia mais um show, mas acabou em decepção para a torcida que compareceu à Vila Belmiro. O Santos começou avassalador neste domingo (25), abriu larga vantagem no placar, mas o Fortaleza reagiu no segundo tempo e arrancou um empate heroico em 3 a 3, em partida válida pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O empate em casa deixa o time paulista com 33 pontos na classificação, ainda na liderança da competição. Por outro lado, o grande resultado reanima o clube cearense, que agora tem 18 pontos e se afasta um pouco mais da zona de rebaixamento.

O jogo deste domingo teve duas etapas completamente distintas, com a equipe da Baixada Santista fazendo um primeiro tempo primoroso e dando a impressão de que sairia de campo com mais um placar elástico. Só que na etapa final, a melhora substancial dos visitantes, aliada a um aparente cansaço dos santistas, resultou em um placar que pode complicar a vida do time em termos de classificação nas próximas rodadas.

Como em outras oportunidades em que atuou na Vila, o time de Jorge Sampaoli começou gastando energias para abrir o placar o quanto antes na partida. Novamente, o argentino deu chance à dupla Evandro e Marinho, que encostou em Eduardo Sasha e Soteldo na formação ofensiva para deixar Derlis González e Carlos Sánchez como opções no banco de reservas.

E tudo começou logo no primeiro minuto. Marinho, o destaque da equipe caindo de maneira frenética pelo lado direito no primeiro tempo, por ali completou bela triangulação, toda com toques de primeira, tramada com Evandro e Sasha para abrir o placar em chute rasteiro de pé esquerdo.

O ritmo não diminuiu e ficou clara a estratégia santista mais uma vez de matar o confronto logo nos minutos iniciais, tal como fizera contra Avaí e Goiás. Aos 4 minutos, em contra-ataque, Soteldo escapou pela direita e bateu cruzado. Na sobra do goleiro Felipe Alves, Evandro mandou por cima em chute da entrada da área.

Sem tirar o pé do acelerador, o segundo gol para a equipe da casa era questão de tempo. E Jorge acertou um chutaço, de canhota, de fora da área, em rebote dado por Felipe Alves após levantamento na área cearense.

Com um novo miolo de zaga, formado por Quintero e Jackson – estreante do dia -, a defesa tricolor esteve atônita e não conseguia barrar as investidas santistas também pelo lado esquerdo, com Soteldo mais uma vez infernizando a lateral direita adversária. Foi dele a jogada, com direito a salseiro em cima de Tinga e passe para Pituca vir de trás e acertar um forte chute que bateu na rede pelo lado de fora.

E assim foi por boa parte do primeiro tempo, com o Santos entrando na área da equipe nordestina tanto na base do toque de bola como na base da ligação direta da defesa para os homens avançados.

A rigor, com Wellington Paulista completamente isolado na frente, o Fortaleza só incomodou o goleiro santista uma vez no primeiro tempo em jogada de Edinho pela direita finalizada por Gabriel Dias. Everson, bem postado debaixo das traves, espalmou para escanteio.

Foi um minuto antes do surgimento do terceiro gol dos paulistas, que saiu na base da conexão defesa-ataque. Sasha recebeu ótimo lançamento de Jorge. Na cara de Felipe Alves, tocou com categoria por cima. A arbitragem chegou a assinalar impedimento, mas o VAR confirmou o oitavo gol do artilheiro da equipe da Baixada Santista no ano.

A intensidade do Santos prosseguiu na volta para o segundo tempo Aos 4, uma roubada de bola na intermediária acabou com a conclusão de Soteldo, mas o VAR detectou um impedimento de Sasha no início do lance.

A arbitragem de vídeo voltou a ser protagonista aos dez minutos, momento em que acusou o pênalti em Evandro cometido por Felipe Aguilar. Wellington Paulista foi para a cobrança e, com tranquilidade, deslocou Everson para diminuir a diferença.

A mudança de Zé Ricardo, ainda no intervalo, do 4-4-2 para o 4-5-1, ao colocar mais um atacante, Felipe Pires, para fazer companhia a Wellington Paulista, já havia surtido efeito nessa altura do embate, com o time cearense saindo para o ataque de forma mais compacta.

E foi no apoio de Carlinhos pela esquerda, que se esforçou para evitar a saída da bola pela linha de fundo e achou o camisa 9 sozinho dentro da pequena área, que o placar ficaria ainda mais perigoso para o Santos: 3 a 2.

Dois minutos depois, Sasha perdeu um gol que não costuma perder, livre na área. Mas ainda assim o panorama era bem diferente, uma vez que a equipe de Zé Ricardo já demonstrava uma postura bem mais autoconfiante na disputa do meio campo e parecia dominar, ainda que levemente, o setor.

Sampaoli reagiu e tentou retomar o domínio com as entradas de Carlos Sánchez e Jean Mota nos lugares de Evandro e Sasha. O time paulista ainda desperdiçou mais uma chance de ouro aos 34, com Jean Mota, mas Felipe Alves levou a melhor no mano a mano com o meia. Porém o confronto permaneceu equilibrado e poucas chances foram criadas de parte a parte.

Até que um lance iniciado novamente por Carlinhos pelo lado esquerdo causou uma grande confusão na zaga santista em levantamento na área. Everson não conseguiu cortar a bola de forma eficiente e o lateral-direito Tinga, na sobra, mandou para as redes, aos 49 minutos.

A vibração alucinada dos atletas do Fortaleza contrastava com as vaias da torcida e a frustração da equipe da casa, que agora terá de buscar forças para espantar a má fase e a série de três jogos sem vitória na luta pelo título.

O Santos volta a ser visitante na próxima rodada, no sábado (31), diante da Chapecoense, às 19h, na Arena Condá. No dia seguinte, com novo astral, o Fortaleza volta a jogar em casa contra o Goiás, às 16h, no Castelão.

*Com Estadão Conteúdo