Sob os olhares de Bolsonaro, Santos bate o Coritiba por 2 a 1 e conquista primeira vitória no Brasileiro

Gol contra do ex-corintiano Henrique decretou o triunfo do Peixe na Vila Belmiro; primeiro tempo foi movimentado, mas o sol do meio-dia atrapalhou o ritmo dos dois times na etapa final

  • Por Jovem Pan
  • 17/04/2022 13h44
Divulgação/Santos FC Lucas Pires e Marcos Leonardo comemoram o gol da vitória do Santos com os torcedores, rente à arquibancada Lucas Pires e Marcos Leonardo comemoram o gol da vitória do Santos, marcado pelo zagueiro Henrique, contra

Com a presença do presidente Jair Bolsonaro (PL) nas tribunas da Vila Belmiro, o Santos iniciou com convincente vitória sobre o Coritiba a trilogia que fará com o atual campeão paranaense. No primeiro embate, após um agradável primeiro tempo, o time da casa levou a melhor, com triunfo por 2 a 1 diante de um embalado e duro oponente. Léo Baptistão e Henrique, contra, anotaram os gols do Peixe. O artilheiro Léo Gamalho, de pênalti, fez para o Coxa. Os goleiros trabalharam bem, com Alex Muralha fechando a partida tentando a igualdade na área no último lance.

Depois de segurar o empolgado Fluminense no Maracanã, trazendo um ponto na mala com empate sem gols, o Santos prometia postura ofensiva em sua estreia na Vila Belmiro no Brasileirão. A ordem era partir para cima do empolgado Coritiba, embalado pelas arquibancadas lotadas com mais de 13 mil torcedores. O técnico Fabián Bustos, porém, perdeu uma peça importante em seu esquema por causa do desgaste físico. O camisa 10 Ricardo Goulart foi preservado seguindo a programação do departamento de fisiologia.

Mesmo sem seu astro, o treinador santista optou por uma escalação extremamente ofensiva no início da série com o Coritiba (os dois times farão mais dois jogos pela Copa do Brasil, o próximo já na quarta-feira, e o segundo aguardando uma data para ser remarcado). O Alvinegro pisou no gramado com quatro atacantes: Léo Baptistão, Ângelo, Marcos Leonardo e Jhojan Julio para derrubar sequência de nove jogos sem derrotas dos paranaenses: sete vitórias e dois empates. Apesar do esquema ousado, o Santos foi surpreendido pelo começo atrevido do Coritiba que propôs o jogo no início e logo, com dois minutos já colocou João Paulo para trabalhar. Os visitantes se lançaram com tudo e deram espaços preciosos e imperdoáveis.

Em um contragolpe rápido, Ângelo lançou Léo Baptistão, que buscou Marcos Leonardo, livre. Guillermo tentou o corte e devolveu para o substituto de Goulart abrir o marcador. O VAR analisou o lance e confirmou o terceiro gol de Baptistão pelo Santos no ano. A torcida seguiu em seu cântico do “vai pra cima deles, Santos”, e Ângelo quase ampliou. O garoto infernizava a defesa do Coritiba com sua velocidade aliada aos dribles. O jogo era agradável, aberto, e com chances de ambos os lados, com os goleiros trabalhando a todo momento.

Em um carrinho inocente de Zanocelo em Andrey, o árbitro marcou pênalti para o Coritiba e Léo Gamalho empatou batendo com perfeição no canto esquerdo. Os santistas ficaram bastante revoltados com a marcação do lance, reclamaram, mas de nada adiantou. A falta foi bastante questionável. Contudo, nem deu muito tempo para o Coritiba festejar. Logo a seguir, uma roubada de bola no meio acabou em cruzamento de Lucas Pires e gol contra do experiente zagueiro Henrique. A intensidade diminuiu na volta do intervalo. Era complicado manter a duelo em alta velocidade em jogo no horário do almoço. Mesmo assim, João Paulo salvou o Santos em chute de Egídio e Muralha fez um milagre em linda jogada santista. Para não correr riscos, Bustos reforçou a defesa nos 15 minutos finais, com a entrada de Velázquez e a troca no esquema para três zagueiros. Assim,  garantiu o primeiro triunfo no Brasileirão.

*Com informações do Estadão Conteúdo