Caso Daniel: Advogados tentam soltar Cristiana e respondem a acusações antes de Tribunal do Júri

  • Por Allan Brito/ Jovem Pan
  • 16/01/2019 11h23
Rubens Chiri/ DivulgaçãoDaniel foi brutalmente assassinado por "Juninho Riqueza"

Depois de ser concluída a investigação sobre a morte do jogador Daniel, ex-São Paulo, o Ministério Público do Paraná aceitou a denúncia e foi aberto um processo criminal. Os 7 acusados estão presos, mas a defesa tem agido para responder a todas acusações antes do julgamento, que ainda não tem data marcada. Existe também um pedido de habeas corpus para que Cristiana Brittes saia da cadeia.

Edison Brittes Júnior, mais conhecido como “Juninho Riqueza”, assumiu a autoria do assassinato. Mas outras três pessoas foram acusadas de participação no homicídio triplamente qualificado: Eduardo Henrique, David Vollero e Ygor King. Esposa de Juninho, Cristiana também é acusada pelo homicídio, por não ter impedido o assassinato de Daniel. A filha dela, Allana, será réu por coação de testemunha e fraude processual. E tem ainda Evellyn Perusso, que foi denunciada por calúnia e fraude processual.

A defesa precisou responder de forma escrita a cada uma dessas acusações. Todas alegações já foram entregues. Mas o caso deve ser longo e ainda não há previsão de quando será o Tribunal do Júri – o julgamento será feito por 7 cidadãos sem formação jurídica, por se tratar de um crime doloso contra a vida, como é previsto no Código Penal.

O que deve ser mais rápido é o julgamento do habeas corpus, que deve acontecer ainda em janeiro. A defesa alega que Cristiana precisa sair da cadeia para cuidar da filha mais nova, que tem 11 anos. A menina está com os avôs maternos, que supostamente não teriam condições ideais para criá-la. Por isso a defesa já pediu duas vezes para que Cristiane fosse para prisão domiciliar, mas os 2 pedidos foram negados.