Daniel Alves diz que viver em Paris é ‘estressante’ e detona: ‘São racistas para c******’

  • Por Jovem Pan
  • 15/10/2019 16h20
Daniel Vorley/Agif/Estadão ConteúdoDaniel Alves, lateral do São Paulo

Daniel Alves voltou ao Brasil após 17 anos rodando a Europa, atuando por times gigantescos e vivendo em cidades requintadas. Em entrevista à revista “GQ”, publicada nesta terça-feira (15), o atleta falou da sua adaptação ao estilo da cidade de São Paulo e falou da sua experiência no Velho Continente.

“É um choque cultural bem interessante. Aqui tem muito convite. Pessoal parece que acumula energia pela falta de opções de natureza e chama para sair todo dia. Preciso lembrar os amigos que eu tenho jogo no dia seguinte”, analisou.

Aos 36 anos, Daniel não mora nos arredores da capital paulista para, segundo ele, “fugir um pouco da muvuca e do caos” da maior cidade do país.  “Eu fui criado no rio São Francisco e nunca mais consegui morar longe da água”, afirmou.

Também por isso, o camisa 10 do São Paulo disse não gostar muito de metrópoles e falou sobre sua passagem em Paris, quando atuou pelo PSG.

“Paris também é uma cidade estressante, não gosto muito. Se você for a Paris por uma semana, vai ser a viagem da vida. Mais que isso, já vai cansar. Nisso lembra um pouco São Paulo. Mas lá eles são racistas para c******. Muio mesmo. Comigo não faziam nada, até porque eu mandaria todo mundo tomar no c*, mas via com meus amigos”, falou.

Por fim, Daniel disse que se sente à vontade mesmo em cidades mais “quentes”, como Barcelona e Sevilha.  “O pessoal lá parece brasileiro, vive na rua, tem uma energia legal. São muito entrões, se der ousadia f****. Mas eu prefiro que as pessoas sejam assim do que o contrário”, concluiu.