Dorival revela recusa a 3 clubes e vê legado em trabalho de Aguirre: “alguma coisa ficou”

  • Por Jovem Pan
  • 01/08/2018 17h58 - Atualizado em 01/08/2018 18h05
Divulgação/SPFCDorival Júnior deixou o comando técnico do São Paulo em março, após início claudicante no Campeonato Paulista

Sem emprego desde março, mês em que foi demitido pelo São Paulo, Dorival Júnior não voltou ao batente porque não quis. Em entrevista exclusiva a Fausto Favara que vai ao ar no próximo Plantão de Domingo, na Rádio Jovem Pan, o treinador de 56 anos revelou ter recusado o convite de “dois ou três clubes” nos últimos cinco meses e afirmou que ainda não pensa em retornar aos bancos de reservas. A mulher dele, Valéria, enfrenta problemas de saúde, e Dorival não quer assumir nenhum compromisso até que tudo se resolva.

“Foi bom ter essa parada, porque há muito tempo eu não tinha um período dentro da minha casa. Isso foi muito importante para mim”, afirmou. “Eu tive duas ou três propostas nesses meses, mas ainda estou com problemas particulares e preciso resolvê-los antes de acertar um possível retorno. Na hora em que tiver um ‘ok’ do médico, aí sim estarei mais tranquilo e em condições de poder dar sequência à minha carreira”, acrescentou.

O último trabalho de Dorival Júnior durou oito meses. À frente do São Paulo, o treinador, escolhido para substituir Rogério Ceni em julho do ano passado, terminou o Campeonato Brasileiro na 13ª colocação e foi demitido após acumular cinco derrotas nos primeiros 11 jogos do Campeonato Paulista.

Ele deixou o clube com apenas 51,6% de aproveitamento, é verdade, mas entende que “alguma coisa” do seu trabalho “ficou” para Diego Aguirre, uruguaio que o substituiu e recolocou o São Paulo nos trilhos – o time tricolor está em grande fase, venceu nove dos últimos 13 jogos e ocupa a vice-liderança do Campeonato Brasileiro.

“De maneira nenhuma diminuindo tudo aquilo que o Aguirre tem feito, mas também chama a atenção que… No ano passado, na última rodada do Brasileiro, até os 43min, quando nos ganhávamos do Bahia, o São Paulo era o líder do segundo turno. E, com aquele empate, nós caímos à terceira colocação (NR: o São Paulo terminou a competição com a 5ª melhor campanha do returno, a um ponto de Chapecoense e Vasco, donos das melhores campanhas, e com a mesma pontuação de Palmeiras e Atlético-MG). Então, eu acho que alguma coisa ficou, sim, do nosso trabalho”, afirmou.

Os méritos de Aguirre, no entanto, também foram reconhecidos e exaltados por Dorival. “Eu fico muito feliz com o que está acontecendo com o São Paulo. O Aguirre é merecedor pelo trabalho que vem desenvolvendo. Ele tem uma grande importância em todo esse momento do São Paulo”, elogiou. “Eu fico satisfeito por estar presenciando esse momento… E aguardando, porque o São Paulo tá começando a viver uma nova era, que também se deve muito ao trabalho de muitos profissionais (que passaram pelo clube) ao longo dos últimos seis, sete meses do ano anterior”, finalizou.

A entrevista exclusiva de Dorival Júnior a Fausto Favara vai ao ar, na íntegra, no próximo Plantão de Domingo, na Rádio Jovem Pan. Fique ligado!