Flamengo e Atlético-MG tropeçaram em rodada favorável ao São Paulo

  • Por Jovem Pan com Estadão Conteúdo
  • 26/08/2018 19h07
GIAZI CAVALCANTE/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDOGerson Magrão e Rafael Moura fizeram os gols do América-MG contra o Flamengo

Flamengo e Atlético-MG entraram em campo neste domingo (26) como candidatos ao título do Campeonato Brasileiro, mas terminaram a rodada um pouco mais distantes disso. O pior resultado foi do Galo, que perdeu para o Vitória por 1 a 0. Mas o Rubro-Negro também lamenta o empate por 2 a 2 com o América-MG.

Tudo isso só ajudou o São Paulo, que foi o único time do G6 a vencer. Agora o Tricolor paulista tem 45 pontos. Em segundo lugar, o Internacional está com 42, com um ponto a mais que o Fla. Já o Atlético-MG segue em 6º lugar, com 34 pontos, cada vez mais distante do líder.

O Flamengo esteve sempre na frente do placar contra o América-MG, mas cedeu o empate por 2 a 2 no final, quando atuava com um jogador a menos, devido à expulsão de Cuellar.

O primeiro tempo foi disputado em alta velocidade. O América-MG contribuiu para isso porque iniciou o jogo exercendo pressão na saída de bola do visitante. A ideia era abrir o placar logo, o que quase aconteceu aos três minutos. Gerson Magrão cruzou do lado esquerdo para Giovanni que, na grande área, chutou sozinho, porém para fora.

Aos gritos, o técnico Maurício Barbieri pedia aos jogadores do Flamengo para adiantar a marcação e sair do campo defensivo. Aos 12, Réver assustou em uma cabeçada aliviada por Matheus Ferraz, mas dois minutos depois saiu o gol. Renê fez o levantamento pelo lado esquerdo e Éverton Ribeiro apareceu na pequena área, nas costas de Carlinhos, para dar um peixinho e mandar a bola às redes.

O time mineiro não se abateu e manteve o seu ritmo. Ameaçou com Rafael Moura aos 19 minutos, quando ele protegeu bem a bola na área e fez o giro, mas pelo alto. O atacante estava ligado e empatou aos 22 – subiu de peixinho e desviou no canto direito do goleiro Diego Alves, após levantamento de Wesley.

Com mais técnica, o Flamengo passou a dominar as ações em campo, criando as melhores chances. Aos 30 minutos, o goleiro João Ricardo saiu errado após cruzamento e a bola ficou com Vitinho, que fintou o goleiro e chutou, mas Juninho fez o corte. O mesmo Vitinho, atrás de seu primeiro gol com a camisa rubro-negra, chutou forte de fora da área, obrigando João Ricardo a espalmar a bola que ia em direção ao ângulo direito aos 39.

Como era esperado, o América-MG diminuiu a marcação na saída de bola, fazendo uma meia pressão. O Flamengo jogou no seu ritmo, tendo em Éverton Ribeiro o seu principal articular de jogadas. Ele serviu os seus companheiros três vezes até conseguir o segundo gol.

Aos 11 minutos, o meia cobrou escanteio e Réver cabeceou para fora; aos 14, lançou Henrique Dourado na marca do pênalti, que bateu de virada, mas também para fora. Na persistência, saiu o gol aos 16. Éverton Ribeiro levantou na área e Lucas Paquetá cabeceou no ângulo direito de João Ricardo.

Mas logo em seguida, aos 19 minutos, o time carioca ficou com um jogador a menos. O volante Cuéllar segurou pelas costas Robinho, que saía sozinho em direção ao gol e recebeu o cartão vermelho. Maurício Barbieri tratou de recompor a marcação, sacrificando Henrique Dourado para a entrada de Piris.

Por algum tempo até que o Flamengo suportou bem o ritmo de jogo, tendo inclusive a chance de ampliar aos 33 minutos com Lucas Paquetá, lançado na área por Éverton Ribeiro. Mas João Ricardo saiu na dividida e levou a melhor, ficando com a bola em suas mãos.

Sentindo o time cansado, Barbieri optou por reforçar a marcação na parte final do jogo. Aos 39 minutos tirou Diego para a entrada do zagueiro Rhodolfo. O América-MG até tentava o empate, mas não chegava em boas condições de finalizar. Mas obteve a igualdade aos 41, quando Marquinhos cobrou falta com perfeição, a bola bateu na trave direita e voltou para a cabeçada de Gerson Magrão, que até se abaixou para testar sozinho.

Vitória 1 x 0 Atlético-MG

O Vitória não sabia o que era balançar as redes há três partidas, mas com gol do jovem Léo Ceará deu um salto na tabela de classificação – com 22 pontos, ficou distante da zona da degola.

Dono do melhor ataque do Brasileirão com 36 gols, o Atlético-MG começou pressionando o Vitória e perdeu uma chance clara com Ricardo Oliveira. Rodrigo Andrade errou o recuo e entregou nos pés do centroavante, que invadiu a área em velocidade e finalizou para fora.

Apesar da chance criada, o primeiro tempo foi bastante equilibrado, com muito mais erros do que qualidade. Os donos da casa bem que tentaram assumir o controle adiantando a marcação e dificultando para o meio de campo atleticano.

Yago e Neílton arriscaram de longe e apenas assustaram o goleiro Victor. Os baianos tomavam conta do jogo, mas ainda deixavam espaços para o ataque do Atlético-MG. Ainda antes do intervalo, os mineiros tiveram outra chance clara de marcar, desta vez com Elias. De surpresa, o volante apareceu na área para finalizar. Ronaldo, goleiro do Vitória, caiu bem para defender.

Para o segundo tempo, o técnico Thiago Larghi apostou na entrada de Luan. Com movimentação e qualidade técnica, o jogador mudou a cara do Atlético-MG. Elias, em finalização colocada depois de deixar a marcação no chão, e Emerson, em cruzamento rasteiro, seguiram criando oportunidades.

Sofrendo para se segurar, o Vitória, em sua primeira subida ao ataque, abriu o placar. Aos 23 minutos, Lucas Fernandes finalizou cruzado, de longe, e carimbou a trave. No rebote, Léo Ceará apenas empurrou para o fundo das redes.

O Atlético-MG teve cerca de 25 minutos para buscar o empate, mas encontrou um adversário bem fechado, que praticamente não deixou o time visitante finalizar. A única chance saiu em lance pouco provável. Antes do meio de campo, Cazares viu o goleiro adiantado e arriscou. Ronaldo se recuperou e com a ponta dos dedos fez a defesa.