São Paulo vence Atlético-PR e quebra tabu de 36 anos

  • Por Renato Barcellos/Jovem Pan
  • 09/06/2018 18h16
GUILHERME ARTIGAS/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOCom a vitória, o São Paulo voltou a assumir a segunda colocação do Campeonato Brasileiro.

O São Paulo, que nunca havia vencido na Arena da Baixada, foi até Curitiba enfrentar o Atlético-PR e um tabu que durava 18 partidas. Após 15 derrotas e três empates, o tricolor finalmente venceu na Arena com gol de pênalti de Nenê. O Furacão foi melhor no primeiro tempo e finalizou cinco vezes contra apenas duas dos paulistas.

A segunda etapa continuou fraca, mas o São Paulo se impôs na casa do adversário. Diego Souza quase abriu o placar em uma cabeçada defendida pelo goleiro Santos. Thiago Carleto e Thiago Heleno bem que tentaram mas pararam em Sidão, ou na barreira, em suas oportunidades.

Com a vitória, o São Paulo voltou a assumir a segunda colocação do Campeonato Brasileiro. Já o Atlético-PR acumulou sua terceira derrota consecutiva e continua na zona de rebaixamento.

O Furacão começou bem a partida e logo aos quatro minutos chegou com perigo ao gol tricolor. Thiago Carleto recebeu na lateral, cruzou e a bola passou por todo mundo, Bergson recuperou e cruzou de novo, Militão afastou pelo tricolor.

Aos seis, foi a vez do São Paulo ir ao ataque. Hudson arriscou de fora e o goleiro Santos apenas olhou. Três minutos depois, Araruna cruzou para Diego Souza

Com 15 minutos passados, o Atlético voltou a atacar e Pablo chutou no ângulo. Sidão se esticou todo e fez bela defesa, jogando a bola para escanteio. Aos 28, em falta de longe, Carleto arriscou e a bola passou muito perto da meta tricolor.

Seis minutos depois foi a vez do São Paulo dar o troco. Araruna puxou o contra-ataque, achou Diego Souza que virou para Nenê. O meia soltou rápido para Everton bater cruzado. Mesmo com a bola desviada, Santos fez a defesa com os pés.

Antes de acabar o primeiro tempo, ainda deu tempo do Furacão finalizar mais uma vez. Raphael Veiga chutou de longe e Sidão, de forma estranha, fez a defesa. Anderson Martins afastou o perigo após o rebote.

O São Paulo voltou melhor no segundo tempo e aos cinco minutos quase abriu o placar. Nenê cruzou para Diego Souza que cabeceou no canto para a grande defesa de Santos. O Atlético se recuperou do susto e fez dois ataques seguidos sem sucesso. O primeiro foi um chute de Raphael Veiga que foi defendido por Sidão e depois uma finalização de Marcinho que pegou na rede pelo lado de fora.

Aos oito, o tricolor voltou a atacar com perigo. Nenê mandou um chute com bastante efeito e também acertou a rede pelo lado de fora. Sentindo o bom momento, Everton puxou para o fundo e cruzou para Diego Souza. O zagueiro Bruno Guimarães desviou levemente e evitou que a bola chegasse no atacante do São Paulo. Jucilei ainda ficou com o rebote, mas chutou para fora.

Quando o relógio chegava aos 13 minutos, a zaga do Atlético bateu cabeça e Nenê roubou a bola. O meia acionou Everton, que foi derrubado por Camacho dentro da área. Anderson Daronco assinalou pênalti, convertido por Nenê.

Logo após o golpe, Fernando Diniz sacou o zagueiro Wanderson para colocar o meia Guilherme. Sem muitas mudanças, o técnico do Atlético resolveu tirar o atacante Pablo e colocar a jovem promessa Bill. Mesmo com as alterações, o jogo esfriou e as chances de gol praticamente sumiram.

Só aos 39 minutos o jogo voltou a ter emoções. Carleto lançou na segunda trave e encontrou Thiago Heleno. O zagueiro cabeceou e Sidão defendeu com o peito em dois tempos. O último suspiro do Furacão foi aos 46 minutos após Hudson cometer falta em Bergson muito próxima da área. Carleto cobrou forte, mas a bola ficou na barreira.

Antes da parada para a Copa do Mundo, o tricolor encara o Vitória no Morumbi, terça-feira (12), às 21:30. O Furacão vai ao Rio de Janeiro enfrentar o Botafogo-RJ no Engenhão, quarta-feira (13), às 21h.