Secretário-geral da CBF defende manter Brasileirão em formato com turno e returno

  • Por Jovem Pan
  • 31/03/2020 08h48 - Atualizado em 31/03/2020 08h54
Renato S. Cerqueira/Futura Press/Folhapress)Walter Feldman é o secretário-geral da CBF

A pandemia do novo coronavírus provocou a paralisação total do futebol brasileiro e causou incerteza a respeito do calendário esportivo deste ano. Até o momento, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no entanto, está mantendo a programação inicial. Quem afirma é Walter Feldman, secretário-geral da entidade, que conversou com Wanderley Nogueira para a Jovem Pan, nesta terça-feira (31).

Na entrevista exclusiva, Feldman informou que a ideia da CBF é continuar com um plano “conservador”, tentando finalizar as disputas dos campeonatos estaduais e manter o Brasileirão no sistema de pontos corridos, com turno e returno.

“Em relação ao calendário, o nosso desejo é que seja de caráter conservados. Ou seja, nós vamos concluir os Estaduais e vamos dar início ou levantar a suspensão dos campeonatos nacionais, sempre ajustando”, comentou.

Walter Feldman também ressaltou o esforço da CBF durante a suspensão do futebol no país. Segundo o representante, o órgão está trabalhando em quatro frentes para manter a “saúde financeira” dos clubes.

“A primeira delas é equacionar a questão trabalhista. Foi concedido 20 dias de férias, que foi a sugestão da Comissão Nacional de Clubes, órgão estatutário e representativo dos clubes brasileiros, para que neste período possamos avaliar quais medidas subsequentes podem vir a ser acessadas”, disse.

“A segunda frente de trabalho. Junto ao Governo Federal, estamos conversando com os órgãos ligados ao esporte, mas também com a área de economia, para que a gente possa apresentar a proposta de suspensão temporária das parcelas do Profut. Nós temos a possibilidade de recolher os recursos diretamente dos caixas dos clubes, diretamente do Timemania, além de uma série de outras alternativas para superar esse momento de crise”, continuou.

Feldman revelou que a ideia é tentar atrair instituições do sistema financeiro para ajudar clubes que estão passando por dificuldades durante a pausa nas atividades.

“Além disso, estamos conversando com os detentores de direitos de transmissão para que os contratos assinados de contratos nacionais e estaduais possam ser mantidos. Em quarto, nós estamos com o sistema financeira, público e privado, para eventuais linhas de crédito que possam ser apresentadas aos clubes, par que nesse período as amarguras e a crise possam ser enfrentadas pelos clubes”, completou.