STJD denuncia Paysandu por homofobia da torcida organizada

  • Por Jovem Pan
  • 14/07/2017 16h23
Torcida do Paysandu entrou em conflito após o empate 1 a 1 Luverdense, pela Série B do Campeonato Brasileiro

O Paysandu é o primeiro clube denunciado pelo STJD por conta de homofobia. O episódio aconteceu no estádio da Curuzu, em Belém, no empate por 1 a 1 ante o Luverdense, pela Série B do Campeonato Brasileiro, em 30 de junho. Após o apito final, membros da torcida organizada Terror Bicolor entraram em conflito com integrantes da Banda Alma Celeste, que apoia o combate à homofobia. Vale lembrar que a BAC já havia estendido uma bandeira com as cores do arco-íris na partida contra o Santos, pela Copa do Brasil.

De acordo com o Tribunal, o clube foi enquadrado no artigo 213, inciso I, parágrafo 1º do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) por não garantir a prevenção ou repressão das desordens. A denúncia ainda ressalta que houve represália e atos discriminatórios contra a Banda Alma Celeste. Assim, o clube também responderá pelo artigo 243-G – praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência.

O Paysandu ainda não foi notificado, mas deve recorrer. A pena pode variar entre multa de R$ 100 a R$ 100 mil, perda de 10 mandos de campo ou até mesmo a retirada de pontos.