Vasco sai na frente com gol contra, mas só empata com o Coritiba no Maracanã

  • Por Estadão Conteúdo
  • 21/10/2017 19h12
Reginaldo Pimenta / Raw Image / Estadão ConteúdoGol contra de Galdezani garantiu um ponto ao Vasco no Brasileirão

O Vasco fez neste sábado (21) uma partida sem qualquer inspiração e encerrou sua sequência de vitórias. Mesmo depois de abrir vantagem com um gol contra de Matheus Galdezani, a equipe de Zé Ricardo viu o Coritiba empatar em chute de Rildo que desviou na zaga. Assim, em jogo definido por lances fortuitos, os dois times ficaram no 1 a 1, no Maracanã, no Rio, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O resultado impediu que o Vasco assumisse uma vaga provisória no G7, grupo dos sete primeiros que garante uma vaga na Copa Libertadores. Está em oitavo, com 43 pontos. Já o Coritiba segue na zona do rebaixamento, com 32, em 18º. No próximo sábado (28), o time carioca faz o clássico com o Flamengo, no Maracanã. E, no dia seguinte, a equipe de Marcelo Oliveira encara o Sport na Ilha do Retiro, em Recife.

Depois de vencer suas últimas três partidas, o Vasco contava neste sábado com o retorno do volante Jean, que estava suspenso no triunfo sobre o Atlético Goianiense. E o zagueiro Anderson Martins, após sofrer uma pancada no duelo, recuperou-se em tempo e iniciou como titular.

Já o Coritiba tinha o desfalque do meia Tiago Real, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Matheus Galdezani, assim, ganhou nova chance depois de perder a posição para Rafael Longuine. E sua participação foi decisiva no duelo.

Embalado pelas vitórias sobre Atlético Goianiense, Botafogo e Avaí, o Vasco começou melhor e dominava o meio-campo com facilidade. A partida pouco inspirada de seus atacantes, porém, dificultava a pressão. O Coritiba segurava o adversário com certa tranquilidade quando, aos 15, Matheus Galdezani apareceu.

Após receber lançamento na direita, Yago Pikachu tentou cruzamento, a bola desviou em Werley e saiu para escanteio. Nenê, então, foi para a cobrança e bateu fechado na primeira trave. Matheus Galdezani tentou o corte, mas cabeceou para trás e marcou contra.

Se era moroso até então, o duelo travou de vez após o gol. O Vasco aproveitou a vantagem, fechou-se atrás e desacelerou ainda mais. Chegava em lances esporádicos, sem ameaçar Wilson. Um chute de longe e no meio do gol de Mateus Vital foi uma das raras chances criadas no primeiro tempo.

Já o Coritiba, embora necessitasse reagir para se distanciar do rebaixamento, era ainda mais inofensivo. Galdezani e Rafael Longuine pouco tocavam na bola e travavam a armação do time. Somente aos 41, em finalização de muito longe de Rildo, a equipe criou algum perigo. Mas a bola saiu bem distante do gol.

A ineficiência de seu time levou Marcelo Oliveira a tirar os dois armadores no intervalo – entraram Iago e o alemão Baumjohann nos lugares de Galdezani e Longuine. Mas foi o Vasco quem voltou melhor para o segundo tempo.

Mais ligado na partida e acelerando a transição nos contra-ataques, o time quase ampliou aos três, quando Wellington aproveitou sobra de escanteio e bateu no canto, de primeira, com perigo. Dois minutos depois, após boa troca de passes, Pikachu rolou rasteiro, Andrés Ríos dividiu com o goleiro e a bola sobrou novamente para Wellington. O chute saiu firme, mas Wilson fez grande defesa.

Parecia um jogo dominado. O Coritiba sequer chegava perto de ameaçar Martín Silva quando, aos 21 minutos, Rildo recebeu no meio, deu belo drible curto que deixou Jean no chão e arriscou de fora da área. A bola, então, desviou em Breno e entrou no ângulo, sem qualquer chance para o goleiro uruguaio.

Aproveitando o apoio de seus mais de 30 mil torcedores presentes no Maracanã, o Vasco até ameaçou uma pressão nos minutos finais. A falta de inspiração, porém, ficou ainda mais evidente – Breno ainda foi expulso nos acréscimos. Melhor para o Coritiba, que segurou o empate com certa tranquilidade e encerrou a sequência de vitórias de seu adversário.