Gilson Kleina exalta longo trabalho no clube: “só você ver o meu cabelo”

  • Por Jovem Pan
  • 18/04/2014 18h04

Técnico Gilson Kleina concede entrevista coletiva

Gilson Kleina concede entrevista coletiva

O técnico Gilson Kleina já pode comemorar o longo período de trabalho que vem realizando no Palmeiras e a confiança da diretoria no projeto. Depois de chegar no fim de 2012 e ser o técnico responsável pelo acesso e pelo título da Série B do Campeonato Brasileiro de 2013, o comandante fez um bom trabalho no Campeonato Paulista deste ano, quando a equipe teve uma das melhores campanhas do estadual, mas viu seu time cair nas semifinais do torneio ao perder para o Ituano, que acabou levantando o caneco.

Concorra ao livro “Libertadores – Paixão que nos une”

Agora, Kleina já foca no recomeço do clube de Palestra Itália na elite do futebol nacional e brinca com o tempo que completou no cargo.

“Aprendi bastante desde que cheguei aqui, é só você ver o meu cabelo (risos). Me lembro que caímos em Volta Redonda-RJ contra o Flamengo, foi um dos dias mais tristes que passei no futebol. Cair com um gigante como o Palmeiras é uma pressão muito grande. Depois teve toda a reconstrução, é um filme que passa na cabeça. Tivemos períodos de dificuldades e depois as coisas começaram a clarear. Sou muito agradecido à diretoria por ter compreendido e deixado a gente evoluir”, declara.

O Palmeiras estreia no Brasileirão neste domingo (20), às 18h30 (de Brasília), quando mede forças com o Criciúma, no estádio Heriberto Hulse, e Gilson Kleina projeta uma campanha boa no nacional, mas também alerta para a dificuldade de um campeonato tão longo.

“Hoje colocamos o Palmeiras em outra realidade. Brigamos de igual para igual pelos títulos. O Palmeiras está neste nível, tem de brigar por qualquer competição. Estrearemos novamente no Brasileiro pelo Palmeiras e espero que seja de outra forma (do que em 2012). Chegou a hora de colher definitivamente essa semente que foi plantada”, observa. “O futebol está muito equilibrado em todos os lugares do mundo. Não existe mais equipe ingênua. Se não deixarmos o jogo fácil e não competirmos, estaremos fadados ao fracasso. Claro que a camisa e a tradição fazem diferença, mas dentro de campo todo mundo busca o seu espaço. Todas as equipes da Série A estão montando grandes elencos”, adverte.

Depois de ser eliminado nas semifinais do Paulistão, o Palmeiras aproveitou para trabalhar e recuperar os jogadores lesionados.

“Aproveitamos este tempo sem partidas para nos recuperarmos. Tiramos todos os atletas do departamento médico. Claro que com um tempo de treino maior para alguns e menor para outros. É importante a volta de todo o grupo, isso é um grande reforço”, finaliza Kleina.