Giovanni fala de Neymar e critica mania brasileira: “enchem a bola dos de fora”

  • Por Jovem Pan
  • 28/04/2016 16h24

Ídolo do SantosÍdolo do Santos

Ídolo do Santos, Giovanni é dos ex-jogadores mais discretos do Brasil. Pelo que jogou, poderia ser um popstar e ainda gozar de grande espaço na mídia. Mas ele não quer isto: aposentado desde 2010, prefere viver no anonimato e apenas curtir a família em Belém do Pará. Isto não quer dizer, contudo, que o exmeio-campista não tenha opiniões fortes. Uma delas, por exemplo, foi dada em entrevista exclusiva a Bruno Prado para o Plantão de Domingo, da Rádio Jovem Pan. 

O ex-jogador, que também teve passagens marcantes por Barcelona e Olympiakos, reclamou da subvalorização dos jogadores brasileiros dentro do próprio País. Para Giovanni, há uma tendência do público nacional em achar bom apenas aquilo que vem de fora. Sabe a história de que “a grama do vizinho é sempre mais verde”? Então… É mais ou menos isto o que, de acordo com o ex-atleta, acontece no futebol brasileiro atualmente. 

“O principal nós temos, que é matéria-primaAqui no País, há muitas críticas sobre os jogadores brasileiros, e, quando vem um jogador de fora, todo mundo enche a bola… Eu não gosto muito disto. Morei na Europa por muito tempo, e eles valorizam os jogadores de lá. Aqui no Brasil, parece que é o inverso“, reclamou Giovanni.

Vice-campeão brasileiro com o Santos em 1995, o ex-meio-campista não acha que a Seleção Brasileira vive uma crise tão grande quanto aquela que pintam. “A Seleção tem jogadores bons, sim, excelentes até… Só que tem de dar mais credibilidade e apoio a estes jogadores. O que o atleta necessita é de confiança. Quando ele não tem a confiança do seu próprio País, joga cabisbaixo e tende a render menos, opinou. 

Giovanni, que é dono de uma escola educacional e também de uma clínica de fisioterapia em Belém, ainda comentou sobre Neymar. O ex-jogador atuou com o craque em 2010, no Santos, e definiu como “natural” o momento de pressão pelo qual o atacante do Barcelona está passando. Responsável por levar o conterrâneo Paulo Henrique Ganso ao time da Baixada, Giovanni acredita que, em breve, Neymar voltará a ser exaltado pela imprensa internacional. 

Quando um estrangeiro vai ao futebol europeu, ele é muito exigido. E, com os jogadores brasileiros, a pressão é ainda maior. Sempre a imprensa vai cobrar muito, mas eu tenho certeza de que o Neymar vai ter a cabeça no lugar e absorver estas críticas. Grandes jogadores sempre passam por momentos difíceis. É apenas uma fase. Daqui a pouco ele já volta a fazer gols, e todo mundo esquece”, finalizou o ex-jogador, que não se importa em admitir que “está levando uma vida de aposentado” seis anos depois de ter encerrado a carreira de jogador.