Grupo chinês cogita comprar 30% das ações do Milan

  • Por Agência EFE
  • 26/02/2015 10h51
De Jong é abraçado por Abate após fazer o gol da classificação do Milan

O conglomerado empresarial chinês Dalian Wanda Group, do magnata Wang Jianlin, deseja comprar 30% das ações do Milan, segundo informou nesta quinta-feira a imprensa chinesa, um mês depois de o mesmo grupo adquirir 20% das ações do Atlético de Madrid.

O jornal oficial China Daily afirma que o grupo, líder nacional em setores como construção e distribuição cinematográfica, oferecerá US$ 170 milhões (R$ 486,9 milhões) para ter quase um terço do clube rossonero, informação que também repercutiu na imprensa italiana.

A divisão imobiliária do conglomerado chinês também tem interesse em participar das obras do novo estádio da equipe, que deverá ser no distrito de Portello, em Milão.

Segundo a imprensa italiana, outro candidato asiático a entrar no grupo de acionistas do Milan é o investidor tailandês Bee Taechaubol, também dono de um império imobiliário em seu país.

No entanto, o presidente do clube italiano, Silvio Berlusconi, parece mais inclinado a aceitar a oferta chinesa, visto que Wanda inclui na proposta a participação na construção do novo estádio.

Em 21 de janeiro, Wang Jianlin adquiriu 20% das ações do Atlético de Madrid por 45 milhões de euros (R$ 136 milhões), em acordo assinado em Pequim junto ao presidente do clube, Enrique Cerezo, e ao diretor-executivo, Miguel Ángel Gil Marín.

Poucas semanas depois, Wanda anunciou a compra da empresa suíça Infront, uma das maiores do mundo de direitos esportivos, por 1,05 bilhão de euros (R$ 3,41 bilhões), mais um passo na construção do que o China Daily classifica como “um império do esporte na Europa”.