Guerrero desencanta, faz 3 e classifica Peru para enfrentar o Chile

  • Por Agencia EFE
  • 25/06/2015 23h04

Temuco (Chile), 25 jun (EFE).- Em branco durante toda a primeira fase, o atacante Paolo Guerrero desencantou em grande estilo nesta quinta-feira ao marcar os três gols que deram ao Peru a vitória sobre a Bolívia por 3 a 1 no Estádio Municipal Germán Becker, em Temuco, e a classificação para enfrentar o anfitrião Chile nas semifinais da Copa América.

Com o faro de gol apurado, Guerrero foi decisivo, como em algumas ocasiões foi com a camisa do Corinthians, principalmente na conquista do Mundial de Clubes de 2012, e mostrando porque o Flamengo abriu o cofre para contratá-lo no começo deste mês, ao final do vínculo com o Timão.

O camisa 9 marcou dois ainda na primeira metade do primeiro tempo e fechou o chamado “hat-trick” na etapa final. Nos instantes finais, Marcelo Moreno, ex-jogador de Fla, Grêmio e Cruzeiro, descontou em cobrança de pênalti.

Garantido entre os quatro melhores pela segunda vez seguida, o Peru, quarto colocado, jogará contra o Chile na próxima segunda-feira, no Estádio Nacional, em Santiago. Já a Bolívia volta para casa após ter quebrado um jejum de 18 anos sem estar no mata-mata.

Os dois volantes titulares da equipe comandada por Ricardo Gareca, Josepmir Ballón e Carlos Lobatón estavam suspensos, o que provocou mudança estrutural no onze inicial. O lateral-esquerdo Yoshimar Yotún, ex-Vasco, atuou improvisado ao lado de Edwin Retamoso.

Na seleção boliviana, os laterais Miguel Hurtado e Edward Zenteno, e os meio-campistas Danny Bejarano e Damián Lizio, todos poupados na goleada sofrida diante do Chile, retornaram, e Mauricio Soria pôde escalar força máxima.

Não demorou para que os peruanos se impusessem e tomassem conta do jogo, em que foram melhores desde o começo. Aos sete minutos, Guerrero apareceu pela primeira vez com um corte da esquerda da área para o meio e um chute por cima do travessão.

A pressão ia aumentando, e aos 14 a Bolívia ter que se desdobrar para evitar que a bola entrasse. Após uma sequência de três escanteios, Sánchez completou para o gol e conseguiu tirar do goleiro Quiñonez, mas Hurtado salvou em cima da linha.

Aos 20 minutos, porém, não houve goleiro ou jogador de linha que evitasse que o Peru abrisse o placar. Cueva tocou na ponta esquerda para Vargas, que cruzou na medida para Guerrero escorar de cabeça e desencantar nesta Copa América.

O jogador do Flamengo tomou gosto e marcou o segundo dois minutos depois. Em escanteio para a adversária, a equipe de Gareca encaixou ótimo contra-ataque, Cueva lançou e o centroavante contou com escorregão do goleiro para chegar primeiro e tocar para o fundo da rede.

Acuado, o time de Soria enfim incomodou o goleiro Gallese aos 26. Morales foi acionado na esquerda, cortou a marcação e bateu forte por cima do travessão. Pouco depois, aos 30, Smedberg levantou na cobrança de falta, Marcelo Moreno cabeceou forte e o arqueiro peruano fez grande intervenção.

Embora a Bolívia tenha acordado, o Peru continuava melhor e acertou a trave duas vezes ainda antes do intervalo. Aos 36 minutos, Guerrero recebeu na meia-luta e rolou para Farfán, que arrematou no pé do poste esquerdo. Aos 45, o próprio Farfán cobrou infração com categoria, e a bola beijou o travessão.

Os bolivianos voltaram do intervalo mais efetivos, mas os campeões de 1939 e 1975 se aproveitavam para contra-acatacar. Aos nove minutos, Guerrero deixou de calcanhar para Cueva, que entrou na área, e armou o chute, mas foi bloqueado.

Apesar de ter mais a bola, a vencedora do torneio tinha dificuldades na criação. Vargas até ia dando uma forcinha sem querer ao jogar contra o próprio patrimônio depois do escanteio de Smedberg, aos 15 minutos, mas apenas colocou pela linha de fundo.

A seleção peruana se defendia da melhor maneira, mantendo-se o quanto podia no ataque. Aos 19, Yotún descolou ótimo passe para Farfán, que, de primeira, bateu perigosamente à direita da meta.

O ímpeto dos bolivianos foi diminuindo aos poucos, o que permitiu que o adversário voltasse a ser dono do jogo até marcar o terceiro, aos 29 minutos. Bejarano errou feio na saída para o ataque e deu um presente para Guerrero, que progrediu até ficar cara a cara com Quiñónez e bater rasteiro na saída do goleiro.

Com a partida definida, restou à equipe dirigida por Soria ao menos marcar o gol de honra. Lizio poderia ter marcado aos 34, quando Marcelo Moreno ajeitou de cabeça, mas o meia isolou.

Então foi o próprio Moreno, quem se encarregou da missão de estufar a rede. Aos 39 minutos, Lizio foi derrubado por Advincula, ex-Ponte Preta, e o árbitro assinalou pênalti. O centroavante cobrou no meio do gol e deixou o dele, ainda que inutilmente em termos de classificação.

None

Bolívia: Quiñónez; Hurtado (Escobar), Raldés, Zenteno, Coimbra e Morales (Lizio); Danny Bejarano, Chumacero e Smedberg; Peña (Pedriel) e Marcelo Moreno. Técnico: Mauricio Soria.

Peru: Gallese; Advíncula, Ascues, Zambrano e Vargas; Retamoso, Yotún e Cueva (Reyna); Farfán (Hurtado), Pizarro (Carrillo) e Guerrero. Técnico: Ricardo Gareca.

Árbitro: Wilmar Roldán (Colômbia), auxiliado pelos compatriotas Alexander Guzmán e Cristian de la Cruz.

Cartões amarelos: Danny Bejarano, Escobar, Pedriel e Marcelo Moreno (Bolívia); Gallese (Peru).

Gols: Marcelo Moreno (Bolívia); Guerrero (3x) (Peru).

Estádio Municipal Germán Becker, em Temuco. EFE