Guto Ferreira e Luxemburgo são os mais cotados para treinar Corinthians

  • Por Estadão Conteúdo
  • 15/12/2016 15h55
Guto Ferreira foi técnico da Chapecoense de setembro de 2015 a junho de 2016 e conquistou o quinto título estadual do clube

Com a confirmação da saída do técnico Oswaldo de Oliveira, a diretoria do Corinthians quer agilizar a contratação de um novo treinador para que ele participe da montagem do elenco para a próxima temporada. Entretanto, o desafio será encontrar um nome que agrade a maioria dos dirigentes. É certo que não existe um nome unânime. Assim, dois candidatos aparecem com mais força no clube: Guto Ferreira e Vanderlei Luxemburgo.

Guto Ferreira é o mais cotado para assumir o cargo. Ele está no Bahia, com quem tem contrato até o fim da próxima temporada e a multa para tirá-lo do clube é de aproximadamente R$ 1 milhão. O treinador divide opiniões no clube, inclusive, entre os mais próximos do presidente Roberto de Andrade.

Os que defendem sua contratação acreditam que ele tem um estilo de trabalho que se adapta bem ao clube e que vem de bons resultados. Ele acaba de subir para a Série A do Campeonato Brasileiro com o Bahia. Já os contrários a sua chegada acreditam que ele não conseguirá suportar a pressão de dirigir um clube grande que vive um momento de instabilidade dentro e fora de campo.

Quanto a Luxemburgo, sua chegada seria uma forma de fazer com que ele e o clube se reerguessem juntos e também seria uma opção de treinador mais experiente, que sabe lidar com a pressão. Entretanto, seu nome sofre mais rejeição do que aceitação no Corinthians. 

Outros nomes também são comentados, mas correm por fora, como por exemplo, Eduardo Baptista. Ele é um dos nomes mais aceitos entre os dirigentes. Andrés Sanchez, por exemplo, aprova o técnico, que é filho de Nelsinho Baptista. Entretanto, Eduardo está praticamente certo com o Palmeiras e resta apenas acertar alguns detalhes para o anúncio ser concretizado. 

A diretoria do Corinthians espera definir o novo treinador até o começo da semana que vem. Duas possibilidades já foram descartadas por Roberto de Andrade. A primeira é efetivar Fábio Carille, que é auxiliar-técnico fixo da comissão e chegou a comandar a equipe por alguns jogos, entre a queda de Cristóvão Borges e a chegada de Oswaldo. Também está descartada a possibilidade de contratar um técnico estrangeiro.