Hamilton aproveita erro da Red Bull e vence agitado GP de Mônaco

  • Por EFE
  • 29/05/2016 11h45

Lewis Hamilton superou as próprias expectativas e triunfou no GP de Mônaco de 2016

Lewis Hamilton superou as próprias expectativas e triunfou no GP de Mônaco de 2016

Um dia depois de dizer que não esperava muito do domingo em Mônaco, Lewis Hamilton deu a volta por cima e venceu a movimentada sexta etapa do Campeonato Mundial de Fórmula 1, disputada no circuito de rua de Monte Carlo, em que Felipe Massa foi 10º colocado e Felipe Nasr abandonou. O dono dos últimos dois títulos da categoria largou na terceira colocação e se aproveitou das mudanças de condição na pista, que começou molhada e foi secando volta a volta, graças a melhora do tempo, fazendo uma parada só nos boxes.

A estratégia precisa, e o bom rendimento dos pneus ultramacios no carro da Mercedes, que duraram 46 voltas, o fizeram desbancar Daniel Ricciardo, da Red Bull, que largou na pole position e chegou em segundo. Mas não foi só isso. Perto da metade da prova, um erro incrível da Red Bull prejudicou o piloto australiano, que não conseguiu fazer a segunda parada na volta certa, pois a equipe não havia preparado os pneus para o pit-stop. Assim, Ricciardo foi ultrapassado por Hamilton e esbravejou contra a Red Bull: “nada que vocês possam dizer vai melhorar as coisas”.

Com a 44ª vitória na categoria, Hamilton, de quebra, demoliu a confortável vantagem de 39 pontos que o companheiro de equipe, o alemão Nico Rosberg tinha na liderança do Mundial, no caso, para o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, que não completou a corrida de hoje. O britânico chegou a 82 e está a 24 do primeiro colocado na tabela, que hoje acabou a prova apenas na sétima posição. O resultado mostra um panorama muito diferente a avaliação de que o piloto da Mercedes fez no sábado, quando se mostrou resignado na entrevista coletiva concedida após o treino de classificação, em que ficou em terceiro.

O mexicano Sergio Pérez, da Force India, surpreendeu e chegou em terceiro na corrida deste domingo, em Monaco. Já o brasileiro Felipe Massa foi o décimo colocado após fazer uma corrida discreta, em que largou no 14º lugar e em que teve que lutar para chegar a 37 pontos na temporada, mantendo-se à frente do companheiro de equipe, o finlandês Valtteri Bottas, que foi 11º na prova.

Felipe Nasr, por sua vez, teve problemas dentro da Sauber. Após receber ordens para deixar o sueco Marcus Ericsson ultrapassá-lo, o jovem piloto manteve a posição e acabou acertado pelo parceiro de escuderia na Rascasse. Duas voltas depois, o brasiliense acabou abandonando a prova. Outro que não terminou a etapa foi o holandês Max Verstappen, da Red Bull, que vinha de vitória no Grande Prêmio da Espanha, largou em penúltimo por acidente no treino de classificação, mas acabou batendo outra vez.

Punição: O sueco Marcus Ericsson, da Sauber, foi punido com a perda de três posições no grid de largada para o Grande Prêmio do Canadá, por ter provocado acidente com o companheiro de equipe, o brasileiro Felipe Nasr. Os comissários da corrida analisaram o incidente após a bandeirada final e decidiram punir Ericsson com a perda de três posições obtidas no treino de classificação para o Grande Prêmio do Canadá, daqui duas semanas.