IAAF aceita relatório e diz que tem “longo caminho” para recuperar credibilidade

  • Por Agência Estado
  • 14/01/2016 18h08
Atual presidente da Iaaf

A nova gestão da Associação das Federações Internacionais de Atletismo (IAAF) tenta não se deixar abalar pelas fortes acusações de um informe produzido pela Agência Mundial Antidoping (Wada), revelado nesta quinta-feira. Em comunicado oficial, a entidade agora presidida pelo britânico Sebastian Coe começa “agradecendo” a Wada pelo relatório, diz que reconhece a “extrema gravidade” das descobertas, admite que tem um “longo caminho” para recuperar sua credibilidade, mas joga toda a conta para o colo do ex-presidente Lamine Diack.

“A IAAF agradece à Comissão Independente da Wada por todo seu duro trabalho. A IAAF reconhece e aceita plenamente a extrema gravidade das conclusões da Comissão. A fraqueza da governança da IAAF que foi exposta permitiu a indivíduos que lideravam a antiga gestão da IAAF atrasarem o prosseguimento dos procedimentos normais em certos casos de doping”, apontou a entidade, em nota.

No centro dos escândalos está Diack, ex-presidente da entidade e que, segundo a investigação, pediu dinheiro em troca de favores por parte dos russos na tentativa de abafar casos. Assim como ele, Gabriel Dollé, ex-diretor da divisão antidoping, está sendo investigados pelo Ministério Público da França. 

No seu comunicado publicado após a divulgação do relatório, a nova diretoria a IAAF promete que “Cada uma e todas as recomendações que a Comissão recomendou para reforçar a governança da IAAF foram plenamente observadas” e que “irá incorporar essas recomendações na raiz da revisão da governança proposta por Sebastian Coe imediatamente assim que ele assumiu o cargo”.

O britânico também comentou o caso e disse estar “extremamente grato” à Comissão. “A corrupção revelada é totalmente repugnada e uma traição bruta na confiança dos envolvidos”, disse o dirigente, que comandou a organização dos Jogos Olímpicos de Londres-2012. “Ainda que cada caso impactante de doping tenha sido eventualmente resolvido com punição aos atletas envolvidos, a IAAF ainda tem um enorme caminho pela frente para restaurar a sua credibilidade.”

Coe, tentando se desvencilhar do caso, lembrou que “não pode mudar o passado”, mas garantiu que está “determinado em aprender com ele (o passado) e não repetir seus erros”. Ainda de acordo com ele, algumas das reformas sugeridas já foram propostas no início do ano pela própria IAAF e as demais serão consideradas urgentemente para serem incorporadas ao programa de reformas.