Ídolo do Inter e ‘Rei de Roma’, Falcão ensinou a muitos a arte de ser volante

  • Por Bruno Bataglin/Jovem Pan
  • 14/10/2014 18h12
Ídolo da história do clube

Paulo Roberto Falcão é um verdadeiro ícone do futebol brasileiro. Ídolo do Internacional, ele, que nasceu em 16 de outubro de 1953, começou desde cedo a trilhar um caminho privilegiado no esporte, passando pelas categorias de base do Colorado e, posteriormente, assumindo a titularidade no clube em 1973, quando tinha apenas 19 anos de idade.

Logo em seu primeiro ano na equipe principal, o volante conquistou o Campeonato Gaúcho, e emendou mais quatro títulos estaduais:1974, 1975, 1976 e 1978. Além desses troféus, o Internacional também conseguiu faturar três títulos brasileiros com Falcão na equipe, em 1975, 1976 e 1979. O clube também foi vice-campeão da Copa Libertadores com o atleta no elenco, em 1980.

Entre os gols marcantes de Falcão com a camisa vermelha, dois deles fazem parte da história do futebol nacional. Em 1976, nas semifinais contra o Atlético-MG, quando o volante marcou aos 47 minutos do segundo, após tabela com Escurinho, mandando a bola para o gol, sem chances de defesa para o goleiro Ortiz. O gol deu vantagem de 2 a 1 e garantiu o Inter na decisão contra o Corinthians, quando o Colorado superou o rival paulista por 2 a 0.

Na semifinal do Campeonato Brasileiro de 1979, Falcão voltou a brilhar e marcou dois gols no triunfo por 3 a 2 contra o Palmeiras, incluindo o tento da vitória gaúcha. Na final contra o Vasco, ele voltou a marcar gol e ajudou o Inter a faturar a taça de forma invicta.

 O volante de técnica bastante apurada e de invejável aplicação defensiva permaneceu no Internacional até 1980, mesmo ano no qual acabou transferindo-se para a Roma, da Itália. No clube da capital italiana, Falcão desfrutou de um grande sucesso. O volante foi peça fundamental na conquista do Campeonato Italiano da temporada 1982/83, auxiliando a equipe a encerrar um jejum que durava desde 1942.

Além do Scudetto, Paulo Roberto Falcão também faturou duas Copas da Itália em sua trajetória na Roma, nas temporadas 1980/81 e 1983/84. A emblemática passagem pela equipe da capital da Itália rendeu o apelido de “Rei de Roma” ao volante.

 Confira a opinião dos comentaristas Jovem Pan sobre Falcão 

Impossível falar da carreira de Falcão sem citar a Seleção Brasileira. O jogador fez sua estreia com a camisa amarela em 1976, em um confronto contra um combinado entre times de Brasília. Posteriormente, o volante foi deixado de fora da convocação para a Copa do Mundo de 1978, já que o técnico Cláudio Coutinho preferiu não levar o meio-campista.

Apesar da decepção pela não convocação, Falcão se recuperou e foi chamado para o Mundial, quatro anos mais tarde. Juntamente com Zico, Toninho Cerezo e Sócrates, formou um grande meio campo na Copa de 1982, chegou a marcar o segundo gol do Brasil no jogo contra a Itália, na segunda fase da competição, mas a Itália venceu, comandada por Rossi, e se classificou. 

Quatro anos mais tarde, em 1986, Falcão chegou a ser convocado para a Copa do Mundo novamente, mas não entrou em campo. Assim, ele fechou seu ciclo na Seleção Brasileira.

Depois de cinco anos na Roma, Falcão voltou ao Brasil, para vestir a camisa do São Paulo, mas teve uma passagem bem apagada pelo clube paulista e encerrou sua carreira como jogador profissional de futebol.

Após deixar os gramados, Falcão decidiu investir na carreira de técnico. Em 1990, logo depois de a Seleção ter fracassado na Copa do Mundo, o ex-volante assumiu o posto de treinador, deixando o cargo logo em 1991. Posteriormente, ainda comandou o América, do México, e o Internacional, em 1993, antes de tornar-se comentarista na televisão, na Rede Globo.

Em abril de 2011, Paulo Roberto Falcão voltou a assumir o comando do Internacional e, neste ano, conquistou o Campeonato Gaúcho. Apesar do título, uma sequência de maus resultados fez com que a diretoria do Colorado decidisse demitir o técnico em julho do mesmo ano. Nesta passagem, foram 19 jogos, com oito vitórias, cinco empates e seis derrotas.

Mais tarde, em fevereiro de 2012, Falcão foi contratado pelo Bahia e ajudou a equipe a faturar o Campeonato Baiano, o que não acontecia desde 2001. Porém, o ex-volante não durou muito no cargo, sendo demitido em julho, após uma goleada sofrida pelo tricolor baiano para o Fluminense por 4 a 0.

Durante a Copa do Mundo 2014, Paulo Roberto Falcão trabalhou como comentarista no canal de TV a cabo Fox Sports. Como técnico, Falcão não chegou a ter sucesso, ficando bem distante do que fez dentro de campo.

Confira a conversa de Flávio Prado com Paulo Roberto Falcão, em 2013: