Impeachment no Corinthians será resolvido até fevereiro, informa Strenger

  • Por Jovem Pan
  • 04/01/2017 14h57

Mandato de Roberto de Andrade no Corinthians vai até fevereiro de 2018

Divulgação / Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians Mandato de Roberto de Andrade no Corinthians vai até fevereiro de 2018

O processo de impeachment instaurado contra Roberto de Andrade será finalizado em no máximo mais dois meses. Foi isto, pelo menos, o que garantiu o presidente do Conselho Deliberativo do Corinthians, Guilherme Strenger, em participação exclusiva no Esporte em Discussão desta quarta-feira, na Rádio Jovem Pan. 

“O processo de impeachment está praticamente no fim... O presidente já apresentou a defesa. Ele arrolou algumas testemunhas para serem ouvidas, e isso deve acontecer nesta primeira quinzena de janeiro“, informou Strenger. 

Após a oitiva das testemunhas, a comissão vai apresentar um parecer, e ele será submetido a uma votação no conselhoque definirá se o impeachment ocorrerá ou não. Eu tenho certeza de que isto estará encerrado, pelo menos na parte do conselho, até o fim de janeiro“, complementou. 

De acordo com o estatuto do Corinthians, se passar pelo conselho, o impeachment de Roberto de Andrade ainda terá de ser aprovado em uma Assembleia Geral de associados, em processo que levará mais alguns dias.  

Se a decisão for ratificada, Andrade deixará o cargo, que passaria a ser temporariamente ocupado pelo primeiro vice, André Negão. Daí para frente, Guilherme Strenger teria 30 dias para convocar novas eleições junto ao conselho.

Motivo do impeachment 

Foi o conselheiro Romeu Tuma Jr. quem pediu a abertura de um inquérito para investigar uma possível fraude do atual presidente do Corinthians. Este inquérito tem como base uma reportagem publicada no fim de outubro pela revista Época  

A matéria mostra que Roberto de Andrade assinou a lista de presença da Assembleia Geral do fundo de investimentos da Arena Corinthians, realizada em 5 de fevereiro de 2015, como presidente corintiano. O problema, no entanto, é que ele só foi eleito dois dias depois do evento, em 7 de fevereiro. 

O fato pode configurar falsidade ideológica  quando alguém insere uma informação falsa em um documento público ou privado – e motivou a abertura do processo de impeachment contra Andrade no fim de novembro do ano passado.