Inspiração em Guardiola e ofensividade: conheça o São Paulo “que dá certo”

  • Por Jovem Pan
  • 19/02/2016 17h45

São Paulo foi campeão da Libertadores Sub-20 pela primeira vez na história

São Paulo foi campeão da Libertadores Sub-20 pela primeira vez na história

Derrotado em sequência por Corinthians e The Strongest na semana passada, o São Paulo, definitivamente, começou a temporada 2016 com um desempenho muito abaixo do esperado. O time não consegue jogar bem, segue com dificuldades para vencer partidas importantes, e alguns jogadores vivem em pé de guerra com a torcida. Mas, acredite: existe um São Paulo orgulhando o torcedor tricolor desde o ano passado. Trata-se do time Sub-20, que, no último domingo, conquistou a Copa Libertadores da América da categoria.  

Foi a primeira vez que uma equipe brasileira venceu este torneio continental. A Libertadores Sub-20 existe há apenas três anos, é verdade, mas não dá para ignorar a força deste time que o São Paulo conseguiu montar na base. Se, dentro de campo, os jovens apresentam desempenho encantador, com estilo ofensivo e boa disciplina tática, fora dele, a sala de troféus tricolores tem enchido consideravelmente. Em meses, o São Paulo Sub-20 foi campeão da Copa do Brasil, da Copa Ouro, da Copa RS e da Libertadores. Na Copa São Paulo, só caiu na semifinal, e para o campeão, Flamengo. 

A torcida tricolor tem comemorado mais os feitos da base do que os do time profissional, que segue claudicante e jogando um futebol insosso. Na última quarta-feira, antes de a equipe de cima perder para o The Strongest em pleno Pacaembu, por exemplo, os atletas da base foram ovacionados pelas arquibancadas ao exibir a taça da Libertadores Sub-20. Há, sim, muita expectativa com relação aos futuro destes jovens valores que têm ganhado tudo nas categorias inferiores. Mas… Qual será que é o segredo deste time tricolor?

  

O repórter Zeca Cardoso, da Rádio Jovem Pan, conversou com o técnico do São Paulo Sub-20 e descobriu que, na verdade, ele se inspira no estilo de jogo desenvolvido pelo treinador mais valorizado do planeta na atualidade. “Com certeza, hoje, o meu grande e melhor exemplo é o Pep GuardiolaEle me inspira e me faz enxergar o novo modo de se praticar futebol“, revelou André Jardine. 

O gaúcho é adepto do jogo baseado na manutenção da posse de bola e intensa movimentação dos atletas de frente. Não é raro, por exemplo, ver o São Paulo Sub-20 atuando com os laterias pelo meio. A explicação? Eles não ocuparem o mesmo espaço dos pontas e darem superioridade numérica ao time em determinados setores do campo. “Trago comigo a ideia de desenvolver o jogo ofensivo, de resgatar, de alguma maneira, aquele que sempre foi o estilo do futebol brasileiro, de agredir o adversário, marcar pressão. O próprio Guardiola cita o futebol brasileiro como inspiração para ele, em especial as Seleções de 1970 e de 1982“, contou Jardine. 

O técnico foi contratado pelo São Paulo em fevereiro do ano passado, por indicação do coordenador da base Junior Chavarré. Os dois trabalharam juntos no Grêmio. “Cheguei com a mentalidade de fazer os meninos desenvolverem um estilo que transformasse o São Paulo no protagonista do jogo, no time que entra para ganhar, agredir. Claro que se trabalha a defesa também, mas a essência do futebol brasileiro é o jogo ofensivo. Ainda bem que os resultados estão aparecendo e fortalecendo essa ideia“, admitiu Jardine. 

“Meu principal objetivo era convencer os atletas de que o futebol é um esporte altamente coletivo, até pelo número de jogadores que entram em campo. A maior dificuldade foi fazer com que esses meninos pensassem de uma maneira parecida e enxergassem com rapidez as nuances do jogo”, completou, antes de encerrar e se referir ao seu maior exemplo. “Busco seguir a mesma linha do Guardiola, com a certeza de que, em 2016, a base do São Paulo vai ter uma equipe ainda melhor, com mais poderio ofensivo e mais repertório tático“, decretou.

O torcedor são-paulino é quem agradece.

  • Tags: