Interino vê vaga na Libertadores como obrigação no São Paulo: “torcida tem toda razão”

  • Por Jovem Pan
  • 28/09/2014 11h50
Em clássico tricolorEm clássico tricolor

Após a derrota para o Fluminense por 3 a 1 dentro do Morumbi, as esperanças são-paulinas de tirar o título do Cruzeiro diminuiram ainda mais. Milton Cruz, que comandou o Tricolor interinamente no duelo, não jogou a toalha e lembrou 2008, quando o clube paulista arrancou uma diferença de 11 pontos para o Grêmio e acabou campeão brasileiro. Apesar do tom otimista, o interino disse entender e concordar com os gritos das arquibancadas que diziam que uma vaga na Libertadores 2015 é obrigação.

“Não é fácil buscar o Cruzeiro, mas enquanto tivermos esperança vamos correr atrás. Estivemos (em 2008) 11 pontos atrás do Grêmio e conseguimos. Acredito muito ainda. No futebol tudo pode acontecer. Mesmo que seja difícil, não é impossível. Ainda temos o Muricy, que sabe jogar o Brasileirão”, disse Cruz, que ocupou o lugar de Muricy Ramalho, hospitalizado após uma taquicardia na última quinta-feira (25). 

Estacionado nos 43 pontos, o São Paulo viu os cruzeirenses chegarem aos 53 na tabela. O Tricolor tem apenas três pontos a mais que três equipes fora do G-4, fato que preocupa a torcida. “Queremos o título. Se não der, queremos a vaga na Libertadores. A torcida gosta, nós da comissão gostamos. A torcida tem toda razão. E tem o direito de se manifestar. Vamos em busca do título e também da vaga na Libertadores, para ver o estádio cheio, torcida linda. Disputamos sete, oito anos seguidos, ficamos mal acostumados”, admitiu. 

Cruz evitou criticar o desempenho de seu time, mesmo que o São Paulo não tenha chegado a ficar na frente do placar em nenhum momento da partida. “O time não jogou tão mal. O Fluminense tem muita qualidade. Infelizmente não soubemos aproveitar as oportunidades. Eles aproveitaram as deles. Jogamos de igual para igual, buscamos o jogo o tempo todos. Demos azar nas conclusões”, lamentou. 

Além da derrota, Cruz ainda teve que lidar com um assunto incômodo: as reclamações de Luis Fabiano pela condição de reservas. “Espero que ele tenha um pouco mais de paciência para agarrar essa oportunidade. Não acredito que o Luis esteja insatisfeito. Temos conversado bastante com ele. Conversei sobre a entrada dele. Não sabia o tempo, mas ia precisar dele. Ele me disse que ajudaria no possível”. Desde que retornou de lesão, o centroavante não tem tido muitas chances como titular.

O interino ainda aproveitou para ressaltar que não é a questão física o motivo da sequência ruim [quatro jogos sem vencer] do Tricolor no torneio. “O time está treinando bem. Zé Mário é excelente preparador. Temos fisiologista. Os jogadores têm se alimentado. Foi uma infelicidade essa queda de rendimento. Mas acredito que o time ainda vai se achar. Vamos voltar ao rumo das vitórias”, finalizou. 

O São Paulo volta aos gramados já na próxima terça-feira (30) para enfrentar o Huachipato, no Morumbi, em partida válida pela ida das oitavas de final da Copa Sul-Americana.