Jogador israelense de time holandês tem visto negado nos Emirados Árabes

  • Por Agência EFE
  • 06/01/2014 17h39

O jogador israelense Dan Mori teve visto negado nos Emirados Árabes Unidos por conta de sua nacionalidade

Dan Mori

O clube de futebol holandês Vitesse teve que deixar em casa o jogador isralense Dan Mori, que viajaria aos Emirados Árabes com o time para uma semana de treinos enquanto o campeonato nacional está em recesso, depois de o país do Oriente Médio ter negado sua entrada por causa de sua nacionalidade, informou nesta segunda-feira a imprensa holandesa.

A recusa dos Emirados Árabes em dar a Mori o visto de entrada foi uma surpresa para o clube, que disse hoje à emissora Radio 1 ter tido garantia de que o jogador seria “bem-vindo”, segundo sua porta-voz, Ester Bal.

Um dia antes da viagem para os Emirados Árabes, o clube foi informado de que Mori não poderia entrar no país por causa de sua nacionalidade.

“Jogaremos lá contra equipes que contam conosco e queremos nos preparar adequadamente para a segunda metade da temporada”, disse a porta-voz.

Cancelar a viagem na véspera não era uma opção, por isso Mori treina agora com o elenco das divisões de base do Vitesse na Holanda.

Em sua página no Facebook, o jogador desejou a seus companheiros de equipe uma boa semana de treinos, enquanto o técnico Peter Bosz não quis comentar a recusa dos Emirados Árabes de deixar Mori entrar no país. Ele somente disse que quer “fazer seu trabalho” e não se meter em questões políticas.

A Federação Nacional de Futebol da Holanda também não quis se pronunciar sobre a polêmica e atribuiu a decisão a um “tema principalmente político”.

“É decisão do clube aonde realizar as concentrações. Não temos nada a ver (com a decisão dos Emirados Árabes)”, disse um porta-voz à imprensa holandesa, acrescentando que o Vitesse também “está bastante chateado” com a situação.

Vários partidos políticos holandeses criticaram a decisão do Vitesse de manter a viagem aos Emirados Árabes, entre eles os partidos Apelo Cristão-Democrata (CDA), Partido Popular para Liberdade e Democracia (VVD) e o Partido para a Liberdade do Povo Holandês (PVV).

Também o Centro de Documentação e Informação sobre Israel (CIDI) opinou que o clube holandês deveria ter cancelado a viagem e recomendou que recorra à Fifa por causa da negativa de visto, de acordo com declarações da diretora da organização, Esther Voet.

Para ela, é importante abordar este tema, também pensando na Copa do Mundo que será realizada em 2022 no Catar.